Mobilização

Centrais e sindicatos preparam para o dia 29 o que se anuncia como a maior manifestação de trabalhadores dos últimos anos, com uma marcha que percorrerá as ruas e irá até o Congresso.
É o grande esforço para impedir as reformas trabalhista e da Previdência. Os camioneiros aderiam ao movimento. No dia da final da Libertadores. Em Buenos Aires.

O Supremo do PT

Os governos do PT cometeram barbeiragens nas mais variadas frentes, muitas das quais contribuíram para o enfraquecimento da resistência ao golpe contra Dilma.
Mas o maior erro do PT e dos governos do PT foi a ingenuidade na escolha dos ministros do Supremo. O petismo é avalista da mediocridade, das vacilações e das manobras imorais da maior Corte do país, como aconteceu ontem.
O lulismo e o PT acabaram fomentando, por escolhas tortas, o que resultaria no golpe com o Supremo e com tudo. É preciso assumir, sem transferir responsabilidades.
O PT subestimou, em nome de uma grandeza republicana, os togados que um dia iriam trabalhar não só contra as lideranças do partido, mas contra as esquerdas. E não há o que fazer. Nada pode ser feito. E essa turma ainda não completou o serviço.

O PÁTIO DO QUADRILHÃO

Cabral, Cunha, Geddel, Garotinho, Rosinha e subalternos das gangues do Rio e da Bahia estão presos. Faltam o jaburu, Padilha e Moreira Franco, que só escaparam porque foram blindados pelos bons companheiros da Câmara.
Quem não imagina o dia em que todos estarão juntos tomando banho de sol no pátio da penitenciária (com o Jucá e com tudo). São tão espertos que um vai querer roubar o sol do outro.
Ou não acontecerá nada com o Quadrilhão? Alguém acredita que o Quadrilhão dividirá cadeia com essa turma do PMDB? Um dia eu acredito, no outro não acredito em nada. Hoje até eu acredito, mas sem muita fé.
(Não perguntem pelo Aécio e os tucanos, porque a turma deles é outra, mesmo que muitas vezes se misturem com o pessoal do Quadrilhão. Seria bom se não frequentassem o mesmo pátio e o mesmo sol. Os tucanos pegarão cadeia cinco estrelas.)

Um homem distraído

Vi José Serra ontem, na TV do Senado, enquanto a Comissão dos Maus Tratos fazia uma pausa antes de ouvir Gaudêncio Fidélis.
Serra está bem prejudicado. Falou sobre gestão fiscal e deu tantas voltas, confuso e distraído. Às vezes, parecia que iria falar dos Brics, mas ele nem sabe o que são os Brics.
Serra quer disputar o governo de São Paulo. Mesmo assim, meio dispersivo, meio lento, pode vencer. Os paulistas adoram o metrô, a merenda, a farinata, a impunidade e a agilidade dos tucanos. Vá entender.
(E ninguém mais fala daqueles R$ 23 milhões que foram parar na Suíça. Serra é tão distraído que aquele deve ser um dinheiro perdido.)

Minuto a minuto

A nova política de preços da Petrobras para a gasolina, que anuncia aumentos todos os dias, chegará à perfeição quando os reajustes forem a cada minuto.
Quando começar o abastecimento do carro, o preço será um, e quando o tanque estiver cheio, o preço será outro. O posto fará uma média entre o preço inicial e o preço final na bomba.
Ao final do mês, os postos da Petrobras farão um sorteio. O vencedor receberá uma panela e um diploma de consumidor otário daquele mês, assinado pelo alegre Pedro Parente.

Tucanos e gênios

Chegou o dia da grande fraude da Black Friday. Vários jornais fizeram essa semana a mesma reportagem de todo ano mostrando como as lojas manipulam os preços e as promoções às vésperas da falsa liquidação.
Mas as pessoas saem a comprar qualquer coisa, porque são crédulas. Se alguém dissesse que a Lava-Jato está liquidando tucanos corruptos empalhados, que estão presos nas gaiolas de Curitiba, muita gente iria acreditar.
Acreditaria na liquidação porque acreditaria que há tucanos presos em Curitiba.
(Por falar em Lava-Jato, a Folha traz hoje mais uma entrevista constrangedora para as redações. É uma longa conversa de compadres com os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima. Só para que os dois digam que são gênios da investigação e da comunicação. Tudo na maior camaradagem de assessoria de imprensa e sem perguntas incômodas. A entrevista prova que a Lava-Jato ajudou a depreciar o jornalismo.)

O ogro e os curadores de arte

Duas intervenções acabaram com a fúria do senador Magno Malta na CPI dos Maus Tratos. Dois curadores de arte foram ouvidos, porque teriam, entre outras coisas, estimulado a pedofilia em exposições.

O senador petista Humberto Costa, ao defender os curadores constrangidos pela convocação de Malta, disse:

“Está claro que quem está praticando pedofilia não vai ficar nu dentro de um museu. Os pedófilos estão com uma toga, com uma bata de médico, eles estão com batina de padre, estão de terno. Não vão ficar fazendo pintura para expor numa galeria qualquer”.

Depois, o curador Gaudêncio Fidélis, da exposição Queermuseu, afirmou:

“A polêmica que se instaurou em torno dessa exposição não é resultado necessariamente da falta de informação da população sobre arte. É sim resultado de uma campanha difamatória. Cinco obras apenas, no conjunto de 263, são tomadas como plataformas para construir uma narrativa divergente. Se formos analisar no fundo apenas cinco obras carregaram essa narrativa difamatória”.

Hoje, Magno Malta baixou o tom em relação às acusações que vinha fazendo à exposição e ao curador. Malta é uma das figuras mais repulsivas do Congresso.

 

ADIÓS, LUCIANO HUCK

Dizem que Luciano Huck seria o candidato da Globo. Mas, falando sério, não há como Huck pretender estar num cargo que seria o maior incômodo para os Marinho. O que eles ganhariam com isso, Huck e os Marinho?

Primeiro, a Globo não precisa de um subalterno para mandar no país. A Globo sempre teve prepostos obedientes e subservientes (ficamos sabendo que até mesmo na Justiça de primeira instância).

Os Marinho desentenderam-se com o jaburu. Mas já está tudo acertado com os prováveis candidatos da direita que poderão disputar para valer a sucessão do Quadrilhão. O jaburu foi acidente de percurso para a Globo, que um dia, quem sabe, iremos decifrar.

Um Huck candidato iria expor a Globo a um julgamento para além das redes sociais. Os rolos com a máfia do futebol chegariam à campanha. Estariam em todas as TVs. Sairiam das bolhas.

Imaginem Lula (ou Ciro Gomes) triturando Huck num daqueles debates em pé, em que o moço certamente iria dizer que poderia transformar o Brasil num grande auditório. E Lula e Ciro batendo nas propinas da Fifa. E Huck dizendo que não tem nada com isso.

Vamos supor até que ele vencesse a eleição, depois de levar muitas bordoadas. E daí? Como governar sendo o presidente eleito pela Globo? Como enfrentar os rolos? Como conciliar interesses dos outros canais de TV?

A Globo viveria num inferno. Os Marinho não precisam de um empregado como dono do poder. Nunca precisaram disso. Luciano Huck, que já teria desistido da candidatura, deve ter sido chamado num canto e acalmado.

Huck não teria êxito como político, nem depois de sair da Globo. Chegaria ao governo, formaria sua patota, se transformaria numa figura decorativa, sob o mando de um Henrique Meirelles, mas não ganharia nada com isso. Nem ele nem a Globo.

Huck foi a pior invenção da direita até agora. Pior do que Bolsonaro. A direita tem Alckmin, e esse sim é perigoso.