Palpite

Seu Mércio, que andava desaparecido, me manda um WhatsApp:
“Não quero ficar fazendo intriga, porque não é do meu feitio, mas se Mourão e Bolsonaro disputassem uma eleição hoje, Mourão venceria de 7 a 1. O que não quer dizer que seja muito bom para as esquerdas, mas também não quer dizer que seja muito ruim”.
Seu Mércio acha que Mourão pode afastar os milicianos do poder, o que já é uma baita vantagem.

O fim do Augusto

Parece que Santa Maria está sempre nos devendo uma notícia boa. Fico sabendo pelo meu amigo Claudemir Pereira que a notícia ruim agora é o fechamento do Augusto, o mais tradicional restaurante da cidade.

Um consolo: o famoso galeto que era servido ali desde 1968, na brasa e à vinagrete, também tem no Vera Cruz, lá em Santa Maria, e no Galeto Santa Maria, no DC Navegantes, em Porto Alegre.

Mas o Augusto era o Augusto, com aquelas paredes revestidas de madeira, seus armários e seu ambiente único.

 

 

Onde?

Um programa que por acaso se chama Sem Censura é expurgado pelo governo da grade da TV pública.
Um jornalista do maior grupo de comunicação do país (grupo golpista) é denunciado publicamente por autoridades da ‘educação’ como agente da KGB.
O presidente já avisou que vai aniquilar o maior jornal do país e que cortará verbas da TV (do grupo do jornalista da KGB) que não apoia seu governo.
Filhos do presidente, comprovadamente ligados a milicianos que matam por encomenda, atacam jornalistas todos os dias pelas redes sociais.
Na Venezuela?

Despachando?

Fontes do governo insistem que Bolsonaro, e não o general Mourão, é quem está despachando.
A Globo repete sem parar os comunicados que recebe da turma que está no hospital.
É um esforço que vem desde terça-feira, para dizer que Bolsonaro é quem manda. Há um sinal evidente de insegurança nessa versão.
Mesmo assim, o marketing caseiro de Bolsonaro ainda não conseguiu fazer uma foto dos despachos.

AS DAMARES E OS DAMARES

Descobriram agora que Damares mente sobre diplomas que não tem. Mas Damares é mais do que uma mentirosa. Damares é a combinação de Vélez-Rodrigues, Bolsonaro, os filhos de Bolsonaro, Sergio Moro, Magno Malta, os milicianos do Rio da Pedra, os coronéis do golpe, os coronéis da Avenida Paulista.
Damares é o resumo, a síntese de todos eles, incluindo o ministro do Meio Ambiente escolhido para enfrentar os ambientalistas e que agora brilha como caçador dos criminosos da Vale.
Damares acaba sendo um resumo do Brasil deformado. A Damares retórica, discursadeira, que ataca mulheres e é aplaudida, que mente ter diplomas que não tem, que fala com Jesus, essa Damares é o seu vizinho, o seu parente aquele, o seu amigo sentado aí ao seu lado na firma, ou aquela autoridade que nega a Lula o direito de ir ao velório do irmão.
Não se enganem. Uma autoridade que se agarra a argumentos quase religiosos para continuar tirando direitos de Lula é uma Damares com toga, uma Damares com lustro aparente.
Há Damares por toda parte, muitas dissimuladas. Não são maioria, mas são muitas, são milhões, em várias graduações, mais do que imaginamos. Milhões de Damares da classe média elegeram a turma da Damares.
O bolsonarismo que leva milicianos para o poder é uma Damares fora de controle. Damares apenas expõe uma alma coletiva que estava à espera da grande chance para se revelar.