A Escolinha do Professor Meirelles

Hoje ouvi A Voz do Brasil no rádio do carro. O locutor anunciou que era a nova Voz e que por isso iriam entrevistar ao vivo o ministro da Fazenda. Passei a prestar atenção.

E lá se veio o ministro da Fazenda com sua voz de locutor a comparar de novo os gastos do governo com os gastos de uma família. Meirelles disse o que se repete como mantra entre gente do governo e jornalistas amigos dos homens do Palácio do Jaburu: que, assim como as pessoas, os governos devem cortar despesas e adequar o que gastam ao que recebem.

Sabe-se que não é assim. Que não há como comparar despesas domésticas com despesas e investimentos do setor público. Qualquer aluno de economia sabe que essa comparação é emburrecedora.

O setor público não é uma família, é a estrutura complexa que assegura serviços e investimentos e cumpre também a tarefa de orientar a economia em geral e ajudar a corrigir desequilíbrios sociais.

Déficits (claro que sem grandes descontroles, como o caso gaúcho) são da natureza dos governos em todo o mundo, ou as demandas básicas e as prioridades não seriam atendidas.

Poucos, e a Alemanha é o melhor exemplo hoje, não têm déficits. Então, essa conversa de governo-família só ajuda a confundir ainda mais os desinformados.

O tal ajuste da PEC 241, o garrote nos recursos da saúde e da educação, é uma opção de governo para assegurar o pagamento de juros aos rentistas que vivem da renda paga pelo governo. Não tem nada que possa ser comparável à racionalidade doméstica de uma família.

Se tivesse, seria como se pai e mãe cortassem educação e saúde dos filhos para assegurar o pagamento de ganhos às aplicações financeiras.

Perdi meu tempo como aluno involuntário da Escolinha do Professor Meirelles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


4 + 4 =