ARROGANTES, AMORAIS E INCENDIÁRIOS

Uma das conversas reveladoras do caráter coletivo da Lava-Jato é a que trata da abordagem que deveria ser feita a uma jornalista do Globo, para que ela revelasse sua fonte.
Está na parte do vazamento das conversas em que Deltan Dallagnol comemora o fato de que alguém da equipe encontrou uma reportagem que insinua que o triplex do Guarujá seria de Lula.
Chegam até a levantar a hipótese de inquirir a jornalista em um depoimento “espontâneo”, já que ela teria destruído e-mails e anotações sobre a informação. Mas parece que desistem.
Fontes podem ser omitidas e preservadas, como está na Constituição, ou o jornalista não teria nenhuma garantia na divulgação de fatos muitas vezes graves em que o informante não pode aparecer, sob pena até mesmo de ser eliminado.
Mas Dallagnol e sua turma achavam que tudo podiam. Eles trabalhavam pelo bem do Brasil e da humanidade.
A arrogância dos procuradores e de Sergio Moro levou ao desfecho que assistimos agora. A alegre turma da Lava-Jato se achava acima das normas e das leis.
Todos os que já trabalharam em equipes em missões especiais conhecem bem o perfil desse tipo de gente. Eles são assim em quaisquer áreas. Assertivos sem regras e sem limites, competitivos ao extremo, carreiristas, impulsivos e prepotentes. E muitas vezes amorais.
A soberba da sensação de impunidade acabou com a Lava-Jato. Um dos grupos de mensagens da força-tarefa no aplicativo Telegram, agora devassado, se denominava Incendiários. Atearam fogo nas próprias vestes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


4 + 7 =