O JUSTICEIRO E A ESQUINA MALDITA

Instalaram um desses painéis gigantes com propaganda do Sergio Moro a meia quadra da Esquina Maldita, num prédio da Sarmento Leite.
É a afronta dos justiceiros a um espaço sagrado de debates, loucuras e resistência durante a ditadura. A propaganda do ex-juiz, com o apelo para que aprovem o pacote anticrime (aquele que defende assassinatos sob forte emoção), ocupa toda a lateral de um prédio.
Foi a primeira vez que vi de perto o painel. Porto Alegre, uma cidade tomada pelo reacionarismo e pelo bolsonarismo disfarçado dos tucanos bacanas, é a capital que mais dissemina esses cartazes no Brasil.
A Esquina Maldita não foi só um reduto de bares, bebedeiras e delírios revolucionários. Foi o espaço de maquinações que ajudaram na reconstrução da democracia.
Quem quiser saber mais do lugar agora profanado pelos reaças seguidores do guru dos milicianos, que leia Esquina Maldlta (Libretos), do meu amigo Paulo Cesar Teixeira.
Os jovens deveriam ler esse livro para entender como, em outros tempos, as esquinas eram poderosas.

A JOICE DELES

A senadora Jeanine Añez autoproclamou-se, com o respaldo de parte da extrema direita, presidente da Bolívia. Seu gesto foi reconhecido oficialmente pelos bolsonaristas do Itamaraty.
Jeanine é uma figura sem expressão nenhuma, mas que serve aos interesses de El Macho Camacho, o chefe dos golpistas.
É como se Joice Hasselmann decidisse, com o apoio dos milicianos, assumir o comando do Brasil depois do golpe contra Dilma.

Morales resiste

Evo Morales desembarca no México e fala das atrocidades dos golpistas e anuncia que não desistirá da luta.

Así fueron las primeras palabras de Evo Morales al aterrizar en México luego de recibir asilo político por cuestiones humanitarias

▶ "Estamos muy agradecidos porque el Presidente de México (López Obrador) me salvó la vida": Evo Morales, ex presidente de Bolivia, a su llegada al Hangar de la Sedena tras recibir asilo político por cuestiones humanitarias mile.io/2Kh16Fs

Publicado por MILENIO em Terça-feira, 12 de novembro de 2019

A CONSTITUINTE E AS MILÍCIAS

Davi Alcolumbre jogou para a torcida da direita com a história de que, se depender dele, convoca-se agora uma nova Constituinte. É uma resposta-deboche aos que desejam mudar a Constituição para prever a prisão em segunda instância e encarcerar Lula de novo.
Uma Constituinte agora seria goleada de 7 a 1 para a direita e para a extrema direita. O eleitor anestesiado e engambelado votaria nos que iriam destruir tudo o que não só as esquerdas, mas também os velhos liberais, fizeram por ele em 1988.
A direita está pronta para acabar com o SUS, o ensino público e direitos elementares. Uma Constituinte agora iria acelerar a destruição generalizada da estrutura pública promovida pela era bolsonarista.
A convocação de uma nova Constituinte poderia eleger o Queiroz. É provável que uma nova Constituição, com a maioria de constituintes da direita, pudesse prever até a formação de milícias e o direito dos chefes milicianos de residir ao lado da casa do presidente. Quem duvida?

Taison

Tinga, Roger e agora Taison. Que a memória de Zumbi inspire e proteja esses caras valentes nascidos e criados no Estado mais racista do Brasil, segundo o próprio Tinga.
E que outros até agora calados comecem a falar e a erguer o punho junto com Taison, o guri de Pelotas, a terra das charqueadas e do escravismo.
(O Rio Grande do Sul foi exportador de escravos. Hoje é o segundo Estado mais branco, atrás apenas de Santa Catarina.)

O DIABO SÓ OBSERVA

A tática que funcionou aqui foi exportada pelos Bolsonaros. É a imagem mais disseminada desde o golpe, com variações diversas, nas capas dos sites da direita. Luis Camacho com Dios arriba de todos.
Os jornais bolivianos já apostam que o golpista aplicará o golpe também em Carlos Mesa.
Camacho é El Macho, e Mesa é El Flojo. Os militares ficarão com o macho ou o frouxo e fraco?
O macho é o Bolsonaro deles, e o fraco é uma espécie de Temer, um jaburu boliviano.

HUCK E CARLUXO

Luciano Huck já tem algo em comum com os Bolsonaros. No domingo, o candidato da Globo elogiou no Twitter o golpe na Bolívia e logo depois, diante das reações, apagou a postagem. Acovardou-se.
Os Bolsonaros também costumam emitir opiniões valentes, desmentir o que disseram ou apagar o que escreveram.
A notícia de hoje é esta: Carluxo eliminou todas as suas contas nas redes sociais, para não deixar rastros.
Deve estar se preparando para o momento em que será confrontado com suas mentiras, na CPI das Fake News.
Carluxo é o porta-voz do pai. Está licenciado da Câmara de Vereadores do Rio (onde ninguém sabe dizer o que ele faz) e só atua como guerrilheiro nas redes.
A extrema direita não entendeu até agora o silêncio de Carluxo com a libertação de Lula. Há um vácuo de opinião sem a manifestação do gênio da família.

Especialistas

A Folha ouve ‘especialistas’ para saber se Morales sofreu mesmo um golpe.
Especialistas de direita quase dizem que Morales foi passear no México.
O jornalismo da grande imprensa merece Bolsonaro, os filhos do Bolsonaro e o Sergio Moro.

(A charge, que acaba sendo um deboche involuntário com a pauta da Folha, é do Laerte na edição de hoje)

Ainda existe

Admito minha ignorância. Quando Bolsonaro disse que Lula poderia ser enquadrado na Lei de Segurança Nacional, pensei: o sujeito cometeu mais uma gafe, porque é claro que esse troço não existe mais.
E corri então ao Google, que me levou à Wikipédia. E não é que existe!!! A Lei de Segurança Nacional ainda vigora.
A tortura também, mas só para pobres, negros, negras e índios e índias.