Chinelagens

Meu amigo Heitor Schmidt me mandou a notícia de uma senhora cega que quase foi expulsa da praia, em Balneário Camboriú. Um grupo de mulheres não queria que o cão-guia que a acompanhava ficasse ali. Chamaram até a Brigada.

No fim, dona Olga Souza, gaúcha, ficou na praia, porque é amparada por lei.

E os que levam aparelhos de som para a praia e lá ficam porque ninguém reclama? Estive em Torres esses dias, aguentei por alguns minutos ao lado de uma caixa de som gigante e fui embora. Se reagisse, seria vaiado (e isso que o som ali é proibido).

Concluí o seguinte: o veranista enfrenta uma senhora cega com seu cão-guia, mas não enfrenta os barbados do som na areia.

A maioria não está nem aí para a chinelagem da música ruim na praia, em qualquer praia. Acho até que gostam. E por isso merecem a chinelagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


2 + 7 =