O juiz da degola

Precisamos falar mais de Napoleão, o ministro que estava abatido no julgamento do TSE, foi avisado de que um filho agitado pretendia invadir o plenário com um envelope, ficou tensionado, começou a discursar e disse que os inimigos devem ser degolados. Depois do discurso, teria aumentado seu abatimento.

Napoleão Nunes Maia Filho é mais uma figura esdrúxula do cada vez mais estranho Judiciário brasileiro. Os jornais já informaram várias vezes que delatores o comprometeram por envolvimento em relações anormais com a OAS e com a JBS.

O que Napoleão tem a explicar? Quem irá investigar Napoleão? O que havia no envelope? Por que o filho do ministro estava tão apressado e nervoso? Napoleão estaria à espera de uma notícia ruim durante o julgamento?

Napoleão, que apareceu assim tão de repente, não pode pretender sair de fininho, sem que saibamos mais a seu respeito. Ninguém faz um gesto de degola impunemente, muito menos num tribunal. Ou faz?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 6 =