O mundo subterrâneo do Judiciário

A Folha tem boas ideias executadas pela metade. Essa pauta ‘investigativa’ de hoje sobre as ligações partidárias da família do desembargador Rogério Favreto, por exemplo, deveria ser completa.
Favreto, que eu saiba, não tem obsessões justiceiras. Por que a Folha não faz a mesma pauta sobre as ligações subterrâneas de outros juízes dos mais variados tribunais, inclusive a nossa mais alta Corte, para que o leitor saiba bem em que lastro se sustentam os punitivistas seletivos que proliferam no Brasil? Inclusive no Ministério Público.
A Folha e todos os grandes jornais, com suas fabulosas equipes, poderiam descobrir, por exemplo, por que o ministro Luis Roberto Barroso disse esta frase, apontando o dedo em direção a Gilmar Mendes: “Vossa Excelência muda a jurisprudência de acordo com o réu. Isso não é Estado de Direito, é estado de compadrio. Juiz não pode ter correligionário”.
Que história é essa de compadrio? Mudar jurisprudência? Juiz pode ter correligionários? Só se forem de direita? A Folha precisa fazer esta pauta. Pode começar pelos nossos juízes mais ‘liberais’, esses que andam muito quietos.

One thought on “O mundo subterrâneo do Judiciário

  1. Para disfarçar esse folhetim, digo, a folha poderia também pautar as ligaçoes partidárias da família do eminente presidente, e de outros desembargadores, do trf4, que declarou publicamente ter achado a sentença de moro que condenou Lula uma peça jurídica primorosa, apesar dela ter sido detonada por centenas de renomados juristas, inclusive de direita. Isso sem contar que, na mesma ocasião, ter anunciado que o processo do Lula andaria celeremente e seria julgado a tempo de impedir sua candidatura à presidência. imparcialidade é isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


7 + 1 =