OS CONFLITOS DO EX-JUIZ

Tivemos hoje em Brasília uma situação bem Brasil da Lava-Jato. Sergio Moro encontrou-se com o presidente do Supremo. A imprensa noticiou que ele e Dias Toffoli trataram do vazamento de mensagens trocadas pelo então juiz com procuradores.

Tudo bem? Numa situação de normalidade, sim. O ministro da Justiça deve interagir com autoridades de todos os poderes, incluindo autoridades da mais alta Corte de Justiça.

Mas há um detalhe. Moro tem interesse no julgamento do dia 25 no Supremo, que pode colocar a Lava-Jato sob suspeição e determinar a soltura de Lula.

Moro coordenou a Lava-Jato numa vara especial de Curitiba. E condenou Lula por conta dessa tarefa especial.

E aí alguém pode perguntar: mas como separar o Sergio Moro ex-juiz que condenou Lula e teve sua comunicação devassada do atual ministro da Justiça, se ambos são o mesmo homem?

Agora não dá mais. Mas antes daria, se essa cena fosse tornada impossível. Seria simples, se no Brasil as coisas não fossem tão confusas e não houvesse tanta mistura de interesses e desejo de poder.

Seria simples se o juiz tivesse continuado como juiz ou se, depois de se decidir pelo afastamento da magistratura, optasse por fazer outra coisa na vida.

Mas Moro decidiu ser autoridade de um governo de extrema direita. Ele optou, mesmo em meio a reações contrárias do próprio Judiciário, ser ministro da Justlça do governo beneficiado pela prisão de Lula. E agora é acusado de ter condenado Lula injustamente.

O ex-juiz e o ministro são a mesmíssima pessoa. Não há como separar, por mais que ele e Dias Toffoli tenham tentado.

Se ele não estivesse nessa posição de ministro e ao mesmo tempo de parte interessada no julgamento do dia 25 (mesmo sendo ex-juiz), tudo estaria mais próximo do normal.

Mas com Sergio Moro nada nunca foi normal. Muito menos agora. Tudo é anormal, muito anormal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 5 =