Os delegados e os médicos

Na campanha às eleições de 2014, delegados federais da equipe da Lava-Jato em Curitiba formaram um grupo no whatsapp para atacar e depreciar Dilma e Lula e exaltar Aécio. Um grupo aparentemente inofensivo, formado para tirar sarro.
Mas até o chefe deles, o delegado Igor de Paula Romário, participou da turma, depois denunciada por um ex-participante. As mensagens foram publicadas em reportagem do Estadão. O delegado é o mesmo que disse há pouco que Lula será preso dentro de 30 ou 60 dias.
Esta semana, um grupo de médicos também se reuniu no whatsapp para desejar a morte de dona Marisa Letícia, compartilhar os exames médicos dela e trocar mensagens idiotas. E, fazendo parte de outra turma, o procurador de Justiça mineiro Rômulo Paiva Filho escreveu na internet: “Morre logo, peste! Quero abrir logo o meu champagne!”
Para alguns, pode parecer natural que, em meio à disseminação de ódio e imbecilidades, até delegados, médicos, procuradores e outras tantas categorias façam o que andam fazendo. Em muitos casos, é bem mais do que idiotia, é criminoso.
Entidades da área médica anunciam que irão identificar seus filiados. Os torcem pela morte serão punidos. O histórico não recomenda nenhuma expectativa, porque essa é a hora em que se erguem todos os escudos corporativos.
Com o procurador e os delegados também não acontecerá nada, porque há sempre a desculpa da liberdade de expressão (mesmo que a pregação política e as grosserias de 2014 tenham sido feitas entre investigadores de gravata numa operação que não deveria, mas já foi contaminada pela política dentro de todas as instituições).
O que todos sabemos, com base na realidade, e não por nenhuma ‘convicção’ distraída, é que os delegados estavam mesmo empenhados em desqualificar Lula e Dilma e pregar o voto em Aécio. E perderam a eleição.
Alguém pode dizer também que tudo isso parece ter uma coerência, porque de lá de 2014 e até aqui, a PF, o Ministério Público e o Judiciário pegaram Lula (com cinco processos) e dona Marisa Letícia (com dois) e não pegaram nenhum tucano. É verdade. Mas aí é apenas uma casualidade.

One thought on “Os delegados e os médicos

  1. Como tu já deves saber, Moisés, dois médicos já perderam seus empregos devido as suas inconcebíveis ações ou manifestações. Mas nem tudo está perdido para estes canalhas. é só decidirem vir trabalhar aqui no RS que o Sindicato médico (SIMERS) os acolhe de braços abertos. Afinal quem achou normal a recusa de atendimento a uma criança por ser filho de petista, deve achar até louvável o procedimento daquelas duas criaturas quanto ao episódio envolvendo Marisa Letícia.
    A propósito, caro moisés, tu me garantes que não existe qualquer relação, profunda ou superficial, entre Hipócrates e Hipocrisia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


6 + 7 =