VOLTA DO AI-5? A IMPRENSA DA DIREITA DIZ QUE LULA É O CULPADO

É divertido ver Merval Pereira e seus colegas atacando a ditadura, que a Globo tanto defendeu, para assim atacar Bolsonaro e os que defendem, apenas como mensageiros, a volta do AI-5.
Mas a culpa pela pregação da volta da ditadura, segundo Merval, é de Lula, que vem defendendo a mobilização, principalmente dos jovens, contra as ‘reformas’ que, diz ele, irão salvar o país.
Merval acha que Lula passa do ponto ao pedir que os jovens façam aqui o que estão fazendo no Chile. O porta-voz da direita no Globo acha que é antidemocrático pedir que os jovens saiam às ruas e defendam os interesses deles e do país.
Merval entende que isso é ser radical. E assim transfere para Lula a culpa que ele não consegue atribuir ao fascismo. Porque o jornalista de direita tem de deixar uma porta aberta para a direita. Não necessariamente para Bolsonaro (que o acusa de ganhar muito dinheiro público fazendo palestras milionárias), mas para os eleitores de Bolsonaro.
Merval Pereira acaba admitindo, fazendo volteios e dizendo entender porque Guedes chamou Lula de burro e irresponsável, que há um certo fundamento na advertência do filho de Bolsonaro e agora do ministro fanfarrão, tudo porque Lula seria um radical.
A Globo atiçou, com a ajuda de Merval, a classe média reacionária, decadente e ressentida, para que fosse ás ruas e derrubasse Dilma. Mas agora a Globo acha que Lula é radical.
Merval passa pano para os Bolsonaros.

GUEDES TAMBÉM AMEAÇA COM O AI-5

O filho de Bolsonaro, o fritador de hambúrguer que faz ameaças sobre a volta da ditadura, tem imitadores no alto escalão. Paulo Guedes se saiu com essa ontem em Washington, confessando que o governo teme o povo nas ruas:
“Sejam responsáveis, pratiquem a democracia. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez? Ou foi diferente? Levando o povo para a rua para quebrar tudo. Isso é estúpido, é burro, não está à altura da nossa tradição democrática”.
O homem ameaça com o AI-5 e fala em tradição democrática.
Com esse discurso, Guedes está tentando ocupar, ainda mais à direita, o lugar que Sergio Moro pensa ser dele.
Guedes é candidato em busca de apoio militar (ele também declarou em Washington que, se fosse presidente da Petrobras, demitiria todos os funcionários em greve).
Se ficar muito saliente como candidato precoce e disputar beleza com o chefe, Guedes será comido pelos filhos de Bolsonaro, que já comeram seis generais do governo.

Encantada

Criei coragem e vi no Youtube o vídeo da entrevista que Leda Nagle fez com Eduardo Bolsonaro, aquela em que o fritador de hambúrguer defende a volta do AI-5.
Não aparece, em nenhum momento, nenhuma reação da entrevistadora quando o filho de Bolsonaro faz a ameaça. Nada. Nenhuma pergunta. Nenhuma manifestação de espanto.
O vídeo foi editado e, nesse trecho, só o filho aparece falando. O que o vídeo mostra é a cara de admiração da entrevistadora. Uma cara de encantamento.
No final, os dois se divertem e ela ri muito de uma tirada do sujeito de que ele e Bolsonaro vão acabar com o comunismo.

(Para quem tiver coragem de ver, o link está aí. Já aviso que é uma seleção de besteiras.)

https://www.youtube.com/channel/UCUXGIw5M23vYLL4hyfMw4Pw?fbclid=IwAR0rI9zql-cw0u182eGZpXbHiSJ-Bn9vK-xTu_KrcREk2Wy4XZ0puZ7N0WQ

Quem fala por eles?

Pouco interessa a indignação das esquerdas com a ameaça do fritador de hambúrguer de que o AI-5 pode voltar.
Interessa saber como os militares, dentro e fora do governo, se sentem sendo usados pelo filho de Bolsonaro.
Mas quem fala hoje pelos militares republicanos? Antes e depois do golpe de 64 e do AI-5, muitos bravos falaram.

Apenas uma palavra

Pouco interessa a indignação das esquerdas com a ameaça do fritador de hambúrguer de que o AI-5 pode voltar.
Interessa saber como os militares, dentro e fora do governo, se sentem sendo usados pelo filho de Bolsonaro.
Mas quem fala hoje pelos militares republicanos? Antes e depois do golpe de 64 e do AI-5, muitos bravos falaram.

AS MÁSCARAS DE 68

Um detalhe desalentador no dia em que o AI-5 faz 50 anos. A maioria das análises da grande imprensa é de jornalistas que lá naquele tempo se diziam de esquerda.
O Globo, por exemplo, tem na capa da versão online chamadas para textos sobre as vivências de Miriam Leitão, Fernando Gabeira, Zuenir Ventura e Ancelmo Gois. Eles contam o que estavam fazendo em 1968.
O que todo mundo sabe é o que eles fazem hoje. Todos tentam manter esse glamour da resistência à ditadura, mas estão hoje ao lado da direita. Alguns se dizendo de ‘centro’, mas fazendo o jogo da extrema direita.
Lá em 1968 eles e muitos outros estavam por acaso de um lado, porque os ventos os empurravam para aquela trincheira.
Mas eram reacionários à espera de uma chance de revelarem, na maturidade, o que hoje são. O que eles sempre foram é o que se revela agora.
Não há na capa do Globo uma só chamada, uma que seja, de jornalista à esquerda (nem precisa ser ‘de esquerda’) dos seus articulistas. Porque a imprensa foi sequestrada pela direita como não aconteceu nem na ditadura, porque hoje tudo é mais calhorda, mais dissimulado.
Os mais velhos já sabem, mas os jovens também devem saber que jornalistas que se diziam militantes de esquerda são hoje, em alguns casos, militantes ferozes da direita.
As faculdades de jornalismo precisam lidar com essa informação, e sei que a maioria lida muito bem. Golpistas não podem se proteger nas máscaras de 68.