Com o Supremo e com tudo

Para quem acredita que o desmonte das estatais é a saída. E para muitos servidores públicos que votaram em Bolsonaro e acreditam que a liberação das garantias trabalhistas é um ‘avanço’, com o Supremo e com tudo. O jornal conservador Estadão anuncia o quem vem aí.

Decisão do STF pode facilitar demissão em estatais

“O Ministério do Planejamento prepara um ofício para informar às estatais novas regras para a demissão de funcionários. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), envolvendo os Correios, abre caminho para enxugar o quadro de outras empresas públicas, muitas delas em dificuldades financeiras.

Em outubro, o STF definiu que os Correios precisam apresentar motivação caso a empresa queira demitir funcionários, mas não estendeu a exigência para as demais estatais.

O Planejamento aguarda a publicação do acórdão da decisão do Supremo, que leva 60 dias, para fazer uma análise mais detalhada.

No entanto, o secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério do Planejamento, Fernando Soares, afirmou ao Estadão que se trata de uma interpretação sólida do resultado da votação.

— É uma visão preliminar, mas eu não diria que seja frágil. Isso desrepresa a porteira de possibilidade de demissão nas empresas estatais. Com algum grau de critério, maior preocupação para que não tenha discriminação, é verdade, mas abre a possibilidade — disse Soares.

Mesmo com cortes recentes feitos pelo governo Temer, as estatais federais empregavam 505,2 mil no segundo trimestre de 2018. Desse contingente, 105,5 mil estavam alocados nos Correios. Outros 77,7 mil eram funcionários de empresas que dependem dos recursos do Tesouro para sobreviver (pois não geram receitas suficientes para bancar suas despesas operacionais, inclusive salários).

Correios e Infraero já lançaram mão de programas de demissão voluntária, oferecendo incentivos para empregados que aceitem se desligar da empresa, na tentativa de cortar despesas. Mas os resultados foram insuficientes para reequilibrar suas finanças.

A situação, inclusive, foi alertada pela atual equipe econômica em documento apresentado ao grupo da transição, destacando a necessidade de seguir com os cortes no quadro de pessoal dessas duas empresas.

Segundo apurou o Estadão, a medida é bem vista por assessores do presidente eleito Jair Bolsonaro, pois seria um instrumento importante para os planos da nova equipe econômica. O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, defende a ampla privatização de estatais e o enxugamento da máquina pública.

 

 

Manu

Hoje, na caminhada pelo centro com Miguel Rossetto, Ana Affonso, Olívio, Abigail e candidatos a deputado federal e estadual por PT e PCdoB, eu ganhei a minha versão da foto de Lula com Manuela em Porto Alegre, em janeiro, três meses antes do encarceramento do presidente.
A foto do Lula é da Adriana Franciosi. A minha com a Manuela é do Emílio Pedroso, meu amigo e baita parceiro na campanha a deputado estadual.
Para quem quiser saber o que eu disse à Manuela, aqui está: “Estou bem faceiro por caminhar ao lado da tua energia e da tua alegria”.
Ela sorriu e me disse: “Eu também”. E seguimos cantando os cânticos dos democratas. Olívio era o que mais cantava.

Tucano livre

O grande operador de José Serra e dos tucanos paulistas está solto. Paulo Preto, o homem dos R$ 300 milhões em contas na Suíça, foi libertado por ordem de Gilmar Mendes.
Estava preso desde 6 de abril. As notícias desta semana anunciavam que Preto se preparava para fazer delações. Saiu na hora. Era o único tucano preso. Com o Supremo e com tudo.
Nem Geisel, o mandante dos assassinatos na ditadura, imaginaria um golpe tão perfeito, com um Judiciário tão prestativo.

LULA NA FRENTE

Lula continua liderando a pesquisa CNT/MDA. A mais recente foi divulgada agora pela manhã. Os sites sempre divulgam com destaque a amostragem da Confederação Nacional dos Transportes.
Mas tente achar em algum site a informação. Lula vence em todas as simulações. Na espontânea, está com 18,6%. Bolsonaro ocupa a segunda posição, com 12,3%. Ciro Gomes (PDT) tem 1,7% e Alckmin (PSDB) 1,4%.
Não surpreende que os jornais tenham escondido a pesquisa no dia do julgamento do habeas corpus em favor de Lula pelo STJ.
A amostragem sairá mais tarde em algum canto dos sites.
A grande questão posta pela pesquisa é: quem enfrenta Bolsonaro se Lula ficar de fora?

PESQUISA CNT/MDA
Intenção de voto espontânea

Lula: 18,6%
Jair Bolsonaro: 12,3%
Ciro Gomes: 1,7%
Geraldo Alckmin: 1,4%
Álvaro Dias: 1,2%
Marina Silva: 1,2%
Michel Temer: 0,4%
Outros: 3,1%
Branco/Nulo: 20,4%
Indecisos: 39,7%

Intenção de voto estimulada
CENÁRIO 1
Lula (PT): 33,4%
Jair Bolsonaro (PSL): 16,8%
Marina Silva (Rede): 7,8%
Geraldo Alckmin (PSDB): 6,4%
Ciro Gomes (PDT): 4,3%
Alvaro Dias (Podemos): 3,3%
Fernando Collor (PTC): 1,2%
Michel Temer (MDB): 0,9%
Manuela D´Ávila (PC do B): 0,7%
Rodrigo Maia (DEM): 0,6%
Branco/Nulo: 18,2%
Indecisos: 6,4%.

CENÁRIO 2
Jair Bolsonaro (PSL): 20,0%
Marina Silva (Rede): 12,8%
Geraldo Alckmin (PSDB): 8,6%
Ciro Gomes (PDT): 8,1%
Alvaro Dias (Podemos): 4,0%
Fernando Haddad (PT): 2,3%
Fernando Collor (PTC): 2,1%
Manuela D´Ávila (PC do B): 1,3%
Michel Temer (MDB): 1,3%
Rodrigo Maia (DEM): 0,8%
Branco/Nulo 28,2%
Indecisos 10,5%.

CENÁRIO 3
Jair Bolsonaro (PSL): 20,2%
Marina Silva (Rede): 13,4%
Geraldo Alckmin (PSDB): 8,7%
Ciro Gomes (PDT): 8,1%
Alvaro Dias (Podemos): 4,1%
Fernando Haddad (PT): 2,4%
Fernando Collor (PTC) 2,2%
Manuela D´Ávila (PC do B): 1,4%
Rodrigo Maia (DEM): 1,0%
Branco/Nulo 28,4%
Indecisos 10,1%.

CENÁRIO 4
Jair Bolsonaro (PSL): 20,9%
Marina Silva (Rede): 13,9%
Ciro Gomes (PDT): 9,0%
Alvaro Dias (Podemos): 4,7%
Fernando Haddad (PT): 2,9%
Fernando Collor (PTC): 2,1%
Manuela D´Ávila (PC do B): 1,7%
Rodrigo Maia (DEM): 1,4%
Michel Temer (MDB): 1,3%
Branco/Nulo 30,5%
Indecisos 11,6%

SEGUNDO TURNO
Cenários com intenção de voto estimulada:
CENÁRIO 1
Lula 44,5%
Geraldo Alckmin 22,5%
Branco/Nulo: 28,5%
Indecisos: 4,5%

CENÁRIO 2
Lula 44,1%
Jair Bolsonaro 25,8%
Branco/Nulo: 26,0%
Indecisos: 4,1%

CENÁRIO 3
Jair Bolsonaro 26,7%
Geraldo Alckmin 24,3%
Branco/Nulo: 41,6%
Indecisos: 7,4%

CENÁRIO 4
Lula 43,8%
Marina Silva 20,3%
Branco/Nulo: 31,8%
Indecisos: 4,1%

CENÁRIO 5
Marina Silva 26,3%
Geraldo Alckmin 24,6%
Branco/Nulo: 42,5%
Indecisos: 6,6%

CENÁRIO 6
Jair Bolsonaro 27,7%
Marina Silva 26,6%
Branco/Nulo: 39,0%
Indecisos: 6,7%.

CENÁRIO 7
Geraldo Alckmin 36,6%
Michel Temer 3,8%
Branco/Nulo: 52,0%
Indecisos: 7,6%

CENÁRIO 8
Jair Bolsonaro 36,0%
Michel Temer 5,7%
Branco/Nulo: 50,2%
Indecisos: 8,1%

CENÁRIO 9
Lula 47,5%
Michel Temer 6,8%
Branco/Nulo: 40,7%
Indecisos: 5,0%

CENÁRIO 10
Marina Silva 36,8%
Michel Temer 5,3%
Branco/Nulo: 51,1%
Indecisos: 6,8%

CENÁRIO 11
Geraldo Alckmin 32,2%
Rodrigo Maia 6,5%
Branco/Nulo: 52,8%
Indecisos: 8,5%.

CENÁRIO 12
Jair Bolsonaro 32,2%
Rodrigo Maia 9,4%
Branco/Nulo: 49,6%
Indecisos: 8,8%

CENÁRIO 13
Lula 46,7%
Rodrigo Maia 9,8%
Branco/Nulo: 38,4%
Indecisos: 5,1%

CENÁRIO 14
Marina Silva 34,5%
Rodrigo Maia 7,3%
Branco/Nulo: 51,0%
Indecisos: 7,2%.

O príncipe e o leão

Li há muito tempo aqui na internet que Sergio Moro está querendo prender Lula porque o juiz seria um leitor contumaz, pertinaz e sagaz de Maquiavel.
Como se fosse grande coisa alguém ler Maquiavel. O Príncipe é um livrinho de 160 páginas. Meus netos daqui a pouco estarão lendo e recitando Maquiavel: “O tempo lança adiante todas as coisas e pode transformar o bem em mal e o mal em bem”.
Mas os meus netos não vão querer que prendam Lula só porque leram O Príncipe.
Maquiavel escreveu: “Aqueles que agem apenas como leão não conhecem a sua arte”.
Sergio Moro pode ter pulado esta parte ou lido um resumo de O Príncipe na Wikipédia.

 

Moisés Mendes é autor de  Todos querem ser Mujica 

(crônicas, Editora Diadorim).

Esnobado

O juiz Sergio Moro foi defendido dos ataques do PT, ontem na Câmara, pelo deputado Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro. Mas no aeroporto de Brasília, quando retornava a Curitiba e o Bolsonaro pai tentou pararicá-lo, foi extremamente frio e distante diante da cordialidade do homem que o apoia com devoção. O vídeo foi feito ontem na praça de alimentação. Moro prefere tirar fotos com os tucanos.

 

Adesistas

A porção adesista do PT, que vai aparecer na foto ao lado de Eunício Oliveira na presidência do Senado, passa a ser cúmplice não só do PMDB, mas de todos os golpistas de agosto.
O PT adesista, que negociou apoio a um dos coronéis do Congresso (e denunciado por delatores da Lava-Jato), em troca de lugar na mesa do Senado, mergulha na mesma lama em que chafurdam os apoiadores do Jaburu, o pato da Fiesp e seus satélites.
Em nome de espaços políticos num Congresso falido e de um pragmatismo de terceira categoria, o PT adesista ajuda a legitimar, no Congresso, no Jaburu e na Avenida Paulista, o poder dos que derrubaram Dilma.

Noivos

Não tenho o direito de contagiar ninguém com meu pessimismo. Mas confesso que não acredito que o homem do Jaburu caia antes de abril. Acho que só cai em maio, no mês das noivas.
O homem do Jaburu é o noivo trágico que a direita vai deixar no altar, em troca de um tucano com melhores dotes.
O homem do Jaburu será tão enganado quanto Eduardo Cunha, a quem a direita prometeu mundos e fundos mas com quem nem chegou a noivar.

Vila a Colômbia

Digamos que ficou mais difícil golpear também o colombiano Juan Manuel Santos depois desse Nobel.
A direita não pode ganhar todas. O Prêmio Nobel é mais importante do que qualquer gesto político de instituições internacionais, inclusive a ONU, onde até o homem do Jaburu faz discursos.
O Nobel abala toda a direita latino-americana e os cúmplices brasileiros (inclusive na imprensa) do golpista camuflado Álvaro Uribe.