LEVARAM O LEVY

A direita está experimentado o veneno da extrema direita que muitos direitistas ditos liberais ajudam a sustentar. Joaquim Levy foi mandado embora do BNDES.
Antes, o advogado Marcos Barbosa Pinto havia se demitido da direção de mercado de capitais do banco, porque Bolsonaro o considerava uma ameaça por ter trabalhado em governos do PT.
Os dois demitidos são amigos do mercado financeiro. Pinto foi sócio de Armínio Fraga na Gávea Investimentos, mas Bolsonaro temia seu esquerdismo.
Bolsonaro já vinha perseguindo generais. Agora persegue economistas do esquema que o elegeu.
Bem feito para a direita tucana que presta serviços ao governo controlado por uma família envolvida com milicianos.

Um liberal

A maioria dos ditos liberais brasileiros é, na verdade, um amontoado de ultraconservadores reacionários (e golpistas).
Mas temos, sim, liberais do porte de um Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES no governo do jaburu.
Rabello examinou casos de investimentos do banco nos governos Lula e Dilma, considerados controversos, como a sociedade com a JBS e os recursos destinados ao porto cubano de Mariel.
A conclusão dele. Não houve prejuízos para o banco, mas benefícios. Mas Rabello não é o ‘liberal’ padrão, que vive de subsídios, sempre mamou no Estafo e importa bagulhos da China e aqui põe a sua marca.