A JUSTIÇA TUCANA

Ainda a respeito da pressa da Justiça contra Lula e os petistas e da lentidão no julgamento de processos contra tucanos (que caminham quase sempre para a prescrição), vale lembrar uma entrevista recente que o procurador da República Celso Tres concedeu à Patrícia Fachin, da revista IHU, da Unisinos.
Tres é referência no combate ao crime organizado por ter atuado no caso Banestado, que a Justiça acabou engavetando porque envolvia muita gente poderosa.
Pois o procurador fez a seguinte conta, considerando a prisão do mineiro Eduardo Azeredo pelos crimes do mensalão tucano, 20 anos depois dos roubos.
Se o ritmo de prisão dos tucanos for mantido pelo modelo Azeredo de punição, Aécio somente será preso em 2038.
A partir dessa conta do procurador, eu fiz outras. Aécio iria para a cadeia aos 78 anos. Alckmin, o homem dos trens, da merenda e das propinas da Odebrecht, seria encarcerado aos 85 anos. E Serra, o chefe de Paulo Preto e dono da maior parte das contas secretas de mais de R$ 200 milhões na Suíça, seria preso aos 96 anos.
A conclusão é esta: na verdade, Celso Tres pode estar fazendo contas sem sentido, porque talvez nenhum deles venha a ser preso. Muitos crimes de Serra, Fernando Henrique, Aécio, Aloysio Nunes e Alckmin já prescreveram.
O único enjaulado será mesmo Eduardo Azeredo. Os outros ficarão para a História como os velhinhos corruptos e impunes do PSDB.

Por que Janot poupou o jaburu-da-mala?

É grave o que diz o procurador Celso Três em entrevista a Daniel Haidar para o jornal El País. Segundo ele, o procurador Rodrigo Janot teria como abrir investigação contra o jaburu-da-mala, quando era vice de Dilma.
Janot preferiu esperar, porque acreditava que teria um terceiro mandato na Procuradoria-Geral.
Conheço Celso Três, com quem conversei várias vezes no tempo do caso Banestado. O procurador fala o que acha que deve falar. Espera-se que Janot ofereça alguma explicação.
Vejam o que Três afirmou:
“Está provado hoje que Janot sabia, sim, da gravação da JBS. O ex-procurador Marcello Miller deu a entender que o procurador-geral da República sabia disso. Mas, ainda assim, o que é a segunda denúncia? Janot imputou a Temer obstrução de Justiça e (chefia de) organização criminosa. Mas ele cita atos de corrupção que são anteriores ao mandato presidencial. Isso que é grave contra Janot. Enquanto a ex-presidente Dilma Rousseff estava no poder, Janot sequer abriu investigação contra Temer. Tinha gente processada e até presa com elementos que Temer já apresentava, como o caso da Engevix. Isso é inexplicável. Aí quando ele vai fazer? Quando ele se convence que não conseguiria um terceiro mandato”.

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/11/10/politica/1510338596_866594.html