O caráter da Chapecoense

Leio pouco sobre futebol, além dos comentaristas que admiro. Mas li bastante sobre o fenômeno Chapecoense nos últimos meses.
Sabemos que a tragédia se abate sobre vidas e sobre uma ideia, sobre um novo modelo de clube que vinha sendo construído no futebol brasileiro, na contramão dos cartolas corruptos e aproveitadores.
Agora há pouco li uma frase do presidente do conselho deliberativo, Plínio David De Nês Filho, em que ele diz que “dinheiro demais pode atrapalhar”, e rejeita que um clube tenha de sobreviver de ajuda oficial.
“O nosso modelo evita depender de cofres públicos. Acreditamos que a prefeitura não precisa investir no futebol, mas na educação e na saúde da população”.
Que esse caráter da Chapecoense sobreviva e inspire o surgimento da nova geração de gestores de um futebol onde ainda há dinheiro demais e gestão e honestidade de menos.