Quem venceu?

Me contaram que este foi o grande debate em uma mesa de bar ontem à noite na Cidade Baixa, em Porto Alegre. O que é pior: beijar a mão do Aécio Neves ou tirar uma foto tomando vinho com Sergio Moro?
Há os detalhes. Aécio, o beijado, propôs ao deputado Chico Alencar:
– Vamos fazer um partido político nós dois.
Já Leandro Karnal escreveu sobre o encontro com Moro:
– Discutimos possibilidades de projetos em comum.
Aécio veio no singular, com a proposta de criação de um partido, e Karnal veio cheio de plurais, com possibilidades e projetos.
Me disseram que Karnal venceu no debate sobre o pior momento. Nada supera a perenidade de uma foto com Sergio Moro e suas múltiplas possibilidades. E a foto fica mais viva se tentarem apagá-la.

Reverências

Na noite da sessão de autógrafos de Todos querem ser Mujica, no Sarau Elétrico, em outubro, no fim da festa eu vi um rapaz (que não sei quem é) beijar a mão de Luis Fernando Verissimo.
O rapaz se aproximou, requisitou a mão do Luis Fernando, meio que dobrou o corpo em reverência, beijou e foi embora.
O Santiago​ e a Olga​ estavam na mesa com o Luis Fernando e a Lúcia e viram a cena. O escritor ficou meio sem jeito, mas eu achei bonito. Até porque pouco antes eu havia dado um beijo na testa dele.
Todos ali, se estivessem tão desinibidos como o rapaz, poderiam ter beijado a mão do nosso gênio.
Mas o Chico Alencar beijar a mão do Aécio, com tanta mão pra ser beijada…

Que cena

Se o Chico Alencar fica de saramaleques com Aécio Neves, num jantar em que nem deveria estar, é porque todos os limites foram rompidos.

Um líder nacional do PSOL, respeitado, admirado, com uma postura valente no episódio do golpe, não poderia comer casquinha de siri com os tucanos e o pessoal do Jaburu.

Ninguém sai imune de um jantar com este de ontem em Brasília. Chico Alencar caiu numa arapuca da direita.