CONTRA A MÁQUINA DA MENTIRA

Compartilho um documento incisivo sobre a necessidade de combate às fake news que ajudaram a eleger Bolsonaro e continuam fazendo estrago. E a melhor forma é a reação pela organização da sociedade e pela informação.
Esse texto, assinado por várias entidades, foi lido pelo advogado Mario Madureira, presidente da Associação de Juristas pela Democracia (AJURD), em evento terça-feira no auditório da Fabico *(Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação), em Porto Alegre, quando o assunto foi debatido.

MANIFESTO EM DEFESA DA VERDADE, CONTRA A DESINFORMAÇÃO E PELA DEMOCRACIA
A manipulação dos meios de comunicação e o uso massivo e orquestrado das redes sociais para difusão de notícias e informações falsas, marcadas por ódio, intolerância e preconceitos, por meio de tecnologia avançada e com financiamento de grandes grupos econômicos com o claro objetivo de agredir pessoas, partidos e movimentos sociais e enganar a população, têm sido empregados em várias partes do mundo para fraudar o processo eleitoral e a própria construção da opinião pública, deturpando a vontade popular de tal forma e magnitude que tem levado países a se deparar com governos autoritários e com projetos que retiram direitos e que não seriam aprovados nas urnas, sem tais ardis.
Sem propostas políticas para o bem da maioria, acabam abrindo espaço para o simplismo político e o maniqueísmo religioso, dominado, no entanto, por minorias muito ricas, afoitas em aumentar seus privilégios, mesmo que à custa da pauperização da população e do comprometimento do próprio processo civilizatório.
Tudo isso tendo como suporte engrenagens complexas, novas, que lançam mão de tecnologias com capacidade e grau de alcance pouco conhecidos da maioria.
Uma vez que o processo de desinformações (fake news) confunde e desorienta o debate democrático e o processo de decisão do cidadão-eleitor, interditando o discernimento de grandes parcelas da população em lugar de orientar e esclarecer as ações políticas, consideramos:
a) Conhecer o processo e a abrangência dessa máquina de fabricação e propagação de falsas notícias que tem efetivado o avanço desse estado de decadência, de descontrole e de persuasão através da mentira, do preconceito e do ódio;
b) Entender seu funcionamento, pesquisar suas fontes, seu financiamento, fragilidades, para então, buscar normas, leis e demais ferramentas democráticas, capazes de desnudar, conter e desmontar esse processo que adultera a vontade popular;
c) Congregar instituições sociais, associações e coletivos diversos, partidos, universidades, sindicatos, igrejas, meios de comunicação e outros segmentos para enfrentar e resistir de forma organizada e fundamentada às notícias falsas;
d) Estimular a criação de mecanismos que permitam, de forma séria e responsável, romper com esses meios nocivos e reconstruir uma consciência de desenvolvimento com soberania e inclusão social e de resistência aos ataques anticivilizatórios.
Por isso, pretendemos trabalhar em conjunto com as demais iniciativas no sentido de conhecer, entender e enfrentar esse processo tão nefasto. Precisamos agregar conhecimentos, referências e experiências exitosas para, juntos, construirmos a defesa da verdade, a restauração e o fortalecimento da democracia em nosso país.
Não podemos ficar por aqui, satisfeitos em apenas participar deste evento. Será pouco frutífero, se não resultar um processo contínuo, agregador e participativo de ação efetiva, com um propósito claro. E somente será eficiente se conseguirmos um movimento com dimensão nacional.
Há que se juntar entidades, blogs, mídia independente e pessoas empenhadas em fazer avançar o conhecimento e o enfrentamento à desinformação. É preciso organizar atividades e mesmo sistemas de estudo, divulgação da verdade e denúncia das desinformações. Se necessário, será conveniente até institucionalizar a atividade do conjunto amplo e plural de meios de comunicação, universidades e organizações da sociedade civil, dispostos a lutar por uma comunicação verdadeira e democrática.
Propomos a criação de um movimento de combate às fake news, aberto à participação de todas as entidades, instituições e organizações sociais comprometidas com a luta em defesa da verdade, contra a desinformação, a favor da liberdade de expressão e do direito à informação e pela democracia.

Porto Alegre, 4 de junho de 2019.

Comitê Gaúcho do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC)
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (Sindjors)
Central Única dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul (CUT-RS)
Sindicato dos Servidores Públicos do Rio Grande do Sul (Sindsepe-RS)
Conselho Regional de Serviço Social (Cress-RS)
Movimento 3D – Democracia, Diálogo e Diversidade
Associação de Juristas pela Democracia (AJURD)
Comitê em Defesa da Democracia e do Estado Democrático de Direito

SALVEM SUAS ALMAS

O Brasil já sabe que uma quadrilha foi articulada para fraudar a eleição. Que grandes empresários articularam a quadrilha e pagaram milhões de reais a redes disseminadoras de notícias falsas e de difamações através do WhatsApp.

Que a ação dessa máfia teve o conhecimento do comando de campanha do candidato do fascismo. E que o Tribunal Superior Eleitoral até agora não moveu um dedo para trancar e muito menos para punir a ação da quadrilha.

O Brasil precisa saber que a Justiça Eleitoral, acovardada e acumpliciada com os que não reagem, passa a ser conivente com a fraude contra as eleições no Brasil. O TSE é uma instituição imobilizada e amedrontada.

O crime é mais do que caixa 2, é um atentado contra a democracia, com abuso de poder econômico e com a omissão de todos os que deveriam fiscalizar a eleição.

Os alertas dos democratas já não devem mais ser dirigidos aos tribunais, que nada farão contra o que acontece, porque são, pelo silêncio da cumplicidade, ratificadores da fraude do dinheiro sujo usado para produzir calúnia e favorecer o candidato da extrema direita.

Quem precisa ouvir as advertências de juristas e de todos os democratas e também ser ouvido é o brasileiro ainda em dúvida sobre suas escolhas.

O brasileiro indeciso ou sem convicção sobre o caminho que adotou, esse brasileiro deve refletir sobre suas opções antes de caminhar na direção da fraude e da farsa.

O povo já sabe que está sendo enganado pelas quadrilhas que produzem e distribuem fake news e vai reagir. E a classe média brasileira ainda pode salvar sua alma.

A JUSTIÇA ACOVARDADA

A ministra Rosa Weber, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, havia marcado uma entrevista para esta tarde para falar sobre a produção de mentiras por empresários que usam o WhatsApp e seus milhões para difamar o PT, Haddad e Manuela.
Pois a entrevista foi adiada, talvez porque ela não tenha o que dizer. Será dada no domingo.
Uma entrevista sobre providências contra um fato grave, que deve ser encarado com urgência, é adiada para um domingo, a uma semana da eleição. Um domingo… Por que um domingo?
É preciso enfatizar mais uma vez que esse caso, denunciado pela Folha de S. Paulo, é mais do que caixa 2. É a disseminação em massa de fake news e calúnias por empresários criminosos.
Quem continuar com essa conversinha de caixa 2 apenas contribui para que o fascismo seja anistiado. Caixa 2 é conversa fiada, mesmo que possa ser a melhor forma de enquadrar a direita por crime eleitoral, até porque o TSE não moverá um dedo contra caixa 2. O eleitor não quer saber de moralismos de caixa 2.
Temos que dizer o nome do escândalo: formação de grupos mafiosos para burlar a eleição e espalhar mentiras às custas de milhões e milhões de reais.
É disso que a Justiça deve tratar, e não só a Justiça eleitoral. O caso a ser investigado é de formação de quadrilhas de empresários para agir contra a democracia. O resto é o resto.

Duelo

Estou sabendo que muita gente está com pena do MBL na briga com o Face Book. Porque depois, dizem eles, pode acontecer o mesmo com os perfis de esquerda.
Sei não. O que o Face Book descobriu é que o MBL tinha uma engrenagem mafiosa de perfis falsos. A esquerda também tem? Acho que não.
Defender o MBL, como uma espécie de habeas, porque depois o Face Book pode agir da mesma forma contra sites progressistas? Acho ruim.
O que eu sei é que o MBL vem com tudo nessa eleição. Os robôs descobertos pelo Face são o que eles têm de mais manso. Estamos preparados.
Não podemos ter medo do MBL. A democracia não pode se encaramujar diante da ameaça de fraudadores.
O que desejo é que o MBL e o Face Book se enfrentem com peixeiras. Se nenhum tombar, que sejam jogados numa jaula com Bolsonaro dentro.