Vocês querem bacalhau?

A última flecha-denúncia de Rodrigo Janot demonstrou, pela primeira vez e em detalhes, como funciona a máfia da direita no governo e no Congresso para a venda de decisões a empresários das mais diversas áreas.

A denúncia expõe os crimes cometidos por gângsteres da livre iniciativa brasileira, sempre encobertos pelos ataques aos políticos. São eles que sustentam o Quadrilhão do PMDB chefiado pelo jaburu.

A flecha de Janot atingiu o jaburu e seus principais ministros. Ninguém esperava e não aconteceu mesmo nenhuma reação dita popular, nenhum protesto, nenhuma manifestação de sindicatos, de entidades corporativas, de nada. Nada, nada e nada.

Se Janot tivesse mostrado 20 malas cheias de dinheiro, num apartamento que seria do jaburu, como aquele apartamento de Geddel, também não aconteceria nada.

Se revelasse que o jaburu tem um contêiner de dinheiro ao lado do palácio, nada aconteceria. Se mostrasse o jaburu fugindo com uma mala ao lado de Rocha Loures, todos continuariam sua lida à espera apenas do fim do mundo com a bomba do gordinho da Coreia.

O povo continuaria contando o dinheirinho do FGTS e esperando que a alta da bolsa recupere seu emprego. O povo acredita que a bolsa vai reconduzir o trem da economia aos trilhos da prosperidade.

O jaburu e seus cúmplices no Quadrilhão podem dormir tranquilos. Essa denúncia de Janot é mais uma informação para quem já desconfiava de tudo e inexiste como informação para quem não quer saber nada. A maioria não quer saber nada.

O imitador de índio

Bem no meio do escândalo que quebra suas flechas de bambu e fortalece a direita golpista, o procurador-geral decide denunciar Lula e Dilma como participantes de uma quadrilha.
Cumpre-se a ameaça do powerpoint de Dallagnol, no dia em que o país fica sabendo que Geddel guardava malas com R$ 40 milhões dele e de seus sócios no golpe.
Fica cada vez mais evidente que Ministério Público e Judiciário são protagonistas sem disfarces e não só coadjuvantes dos movimentos que reafirmam o golpe.
Se a flecha guardada para o jaburu-da-mala for de borracha com ventosa, Janot estará condenado a ser o mais patético e trágico imitador de índio da História.