O EMPURRÃOZINHO

Nenhum atacante do Sá Viana, do Ferro Carril, do 14 de Julho, do São Gabriel ou do Grêmio Santanense tiraria um zagueiro do Guarani do Alegrete da jogada com um empurrãozinho como aquele do suíço em cima de Miranda.
É muita moleza. Zagueiro, zagueiro mesmo, não amolece diante de um empurrãozinho. Não é, Paulo Renato Rodrigues?
É isso, Rui Fabres? Fala, Luizinho Tristão. Me conteste, Valderli. Confirma, José Airam? Tem fundamento um empurrão frouxo daqueles, Villa?
Pastel, Nelson, Grillo, Kako Perfeito, Bibi, Grisa, Jason, Élvio, Celso, Bola, Miguel Castro, Moisés Moisa, Juliani, Japur: um empurrão como aquele, com a mão mole, aconteceria assim, na facilidade, na zaga do Guarani do Alegrete?