A ARTE VENCE O FASCISMO

Faz bem ver os artistas sem medo nas ruas de Porto Alegre em performances pela resistência, representando o horror, a tortura, a violência e toda forma de repressão.

Só há uma chance de enfrentar a guerra fascista das mensagens via WhastApp que imbecilizaram o Brasil. Com a arte. Sem a arte não haverá salvação. Agora e depois da eleição.

Meu amigo Zé Adão Barbosa sabe. Também o Hique Gomez sabe. A Heloísa Palaoro sabe. O Heitor Schmidt, a Débora Finocchiaro, o Nestor Monasterio, o Artur José Pinto, o Lauro Ramalho. A arte que representa a dor, a bravura, o humor. E nos mantém em alerta. Fascistas odeiam humor.

Sabe disso o Marcelo Restori. O pessoal do Ói Nóis Aqui Traveiz, o Julio Conte, os estudantes de teatro, de cinema, de todas as artes. Os artistas de rua sabem disso.

O Zé Victor Castiel, o João França, a Renata de Lélis, a Celina Alcântara, o Antonio Carlos Falcão, o Fernando Waschburger, o Mario de Ballentti. O Álvaro RosaCosta sabe.

Sabem mais do que todos eles, porque sabem tudo mais do que todos nós, a Naiara Harry, a Sandra Dani, a Lurdes Eloy.

Sabe também, e sabe muito, essa gurizada que tem ido pra rua. Eles sabem que os jovens devem ir sempre na frente, que a arte desmoralizou a ditadura e pode agora desmoralizar os seguidores de Brilhante Ustra.

O autoritarismo odeia a arte, odeia mais do que o ódio que sente pelos pobres, pelos gays, pelos negros e pela democracia.

O fascismo será derrotado pelos artistas. Quando achar que está forte e imbatível, que dominou todas as estruturas do Estado, que domina a vida das pessoas, o fascismo irá sucumbir ao poder da arte.

O artista é o dedo na cara de quem elogia torturadores e de quem segue cegamente quem elogia torturadores. A arte tortura os fascistas.

Mas não vemos o mesmo do outro lado. O que Regina Duarte e sua trupe teriam a representar nas ruas?

Os artistas da extrema direita, que nada representam do que defendem e do que acusam, são tímidos ou são covardes?