O beato de Curitiba

Encerro meu domingo nas redes sociais com um comentário que recebi do seu Mércio pelo WhatsApp.
Seu Mércio me informa que Dallagnol, o procurador religioso, fez jejum hoje para que o Supremo faça a coisa certa dia 4, “o Dia D contra a corrupção”, segundo ele. Nem precisa traduzir: Dallagnol fez jejum e rezou para que Lula seja preso.
Seu Mércio ficou sabendo que o sujeito ficou sem comer pelas informações dele publicadas no Twitter.
Dallagnol, sempre tão racional, correu o risco de entrar em transe pelo jejum. Poderia ter visões de powerpoints gigantes com bolinhas azuis e tucanos dentro das bolinhas.
Mas logo o beato de Curitiba suspendeu o jejum e comeu frugalmente salmão com saladas verdes e vermelhas.
Segundo seu Mércio, é a primeira vez na literatura da Justiça que uma autoridade informa na sua página em rede social que faz jejum para que alguém seja preso. Dallagnol é um religioso exemplar.