BOLSONARO E OS FILHOS VIVEM COM MEDO

Bolsonaro e os três filhos formam a família mais poderosa e mais atormentada do Brasil. A mais acossada desde o Império. Bolsonaro simula que manda em quem quiser mandar, mas desconfia do porteiro do condomínio e teme os arquivos do major Olímpio, do delegado Waldir, de Bebianno e de Joice Hasselmann.

Os filhos de Bolsonaro desconfiam de todos que dizem confiar neles. Não há filhos mais assombrados por sombras e medos do que os três filhos de Bolsonaro.

Eles temem traições entre os milicianos. Desconfiam do Queiroz, dos parentes do Queiroz, dos laranjas insatisfeitos com a partilha das rachadinhas, dos robôs das fake news.

Os Bolsonaros desconfiam do vice Hamilton Mourão. Não podem confiar em Rodrigo Maia. Bolsonaro abandonou o próprio partido por desconfiar dos gestores do cofre. E desconfia de Witzel.

Tudo do entorno dos Bolsonaros gera desconfiança. Bolsonaro sempre soube que os grandes empresários não confiam nele, muito menos os banqueiros. Os investidores estrangeiros sabem que ele não sabe de nada.

A família Bolsonaro não dorme em paz, como as famiglias da Sicília. Os Bolsonaros não sabem mais quem são seus inimigos, porque não sabem há muito tempo quem são seus amigos.

Desde aquela noite em que Bolsonaro comemorou a vitória gritando que eliminaria os marginais vermelhos na ponta da praia, a maldição abateu-se sobre o pai e os filhos.

Não são mais os velhos adversários que os Bolsonaros precisam abater. Desde aquele momento, desde a comemoração com o alerta aos inimigos, que os amigos dos Bolsonaros são suas verdadeiras ameaças.

Os Bolsonaros nunca temeram tanto os inimigos que o pai ameaçou matar quanto temem os ex-amigos. Temem os acordos não cumpridos com os coronéis do Congresso e os parceiros do Judiciário.

Temem a memória e a alma de Marielle Franco e os rastros deixados pelos seus assassinos. Temem a presença de Sergio Moro, mesmo que o ex-juiz e Bolsonaro precisem sobreviver abraçados, até o dia em que um deles será obrigado a dar o bote. Pela frente mesmo, porque já é um bote esperado.

Bolsonaro não tem tempo para governar, porque é ocupado pela tensão permanente e pelo medo de ser traído. Bolsonaro não confia em Trump, nem em Paulo Guedes, porque Guedes fala como candidato e quer ocupar o lugar do chefe no coração do empresariado e dos golpistas.

O governo já demitiu seis generais, porque Bolsonaro não acredita na fidelidade deles. Ele, os filhos e seus subalternos fiéis tentam cuidar de cada movimento dos 2.500 oficiais empregados no governo.

Os Bolsonaros não confiam nos bispos neopentecostais e não podem confiar em ninguém da direita, dentro ou fora dos templos, porque a direita abandona seus perdedores, como abandonou Collor, Aécio, Serra, Eduardo Cunha.

Os Bolsonaros só confiam em Olavo de Carvalho, mas esse não tem poder real, não tem quartéis e nem votos. Olavo de Carvalho é o rasputin dos Bolsonaros, só tem a poção da Terra plana.

Mas os Bolsonaros ainda não estão diante de todos os seus medos. Um dia, daqui a pouco, eles poderão temer os próprios Bolsonaros, quando uns terão medo dos outros, e aí talvez já nem estejam mais no poder.

A carta de Getúlio e o voto de Toffoli

A carta-testamento de Getúlio Vargas, o mais dramático documento da política brasileira, pode ser lida em três minutos, sem nenhuma pressa.
O gongórico voto de Dias Toffoli sobre o imbróglio do Coaf, que poderá livrar a cara de Queiroz, dos milicianos e de Flavio Bolsonaro, durou mais de quatro horas.
No tempo usado por Toffoli, poderiam ser lidas pelo menos 80 cartas-testamento.
Getúlio foi breve para dizer que havia resistido até o seu limite, em defesa dos interesses do povo, e que iria se matar para entrar para a História.
Toffoli usou quatro horas para tentar enrolar todo mundo e dizer que talvez esteja saindo da História da pior forma possível.
Getúlio era muito singelo. Não tinha a verve do latim exuberante de um Dias Toffoli.

MORO, O SUPREMO E AS MILÍCIAS

Todas as análises sobre o comportamento de Sergio Moro indicam que o ex-juiz não responderá às provocações de Lula porque ainda quer ser ministro do Supremo.
Moro não fez referência direta a Lula, no tuíte em que afirma que não responde a criminosos. O ex-juiz tenta se cuidar, porque atritos políticos diretos podem prejudicá-lo.
Mas Lula sabe que, ao atacar Moro, denuncia mais do que suas perseguições como justiceiro de Curitiba.
O que Lula disse ontem é que o governo se submete aos interesses de milicianos.
Se Moro é estrela desse governo, estamos diante de uma situação no mínimo esdrúxula.
Será a primeira vez que um aspirante a uma cadeira no Supremo tem laços com pessoas ligadas às milícias.
O Supremo aceitaria um ex-juiz que deixou a magistratura para ser ministro de Bolsonaro e da extrema direita no poder?
Pior do isso: a mais alta Corte do país pode ceder uma cadeira a alguém que compartilha sua autoridade com figuras acusadas de vínculos com milicianos?
As milícias, que ocupam espaços em todas as áreas, podem se dedicar ao sonho grandioso de se sentirem representadas no Supremo?

MORO E OS MILICIANOS

Dá para ouvir daqui as gargalhadas do Queiroz ao ler o comentário de Sergio Moro no Twitter:
“Aos que me pedem respostas a ofensas, esclareço: não respondo a criminosos, presos ou soltos. Algumas pessoas só merecem ser ignoradas”.
Sergio Moro tem ignorado todos os criminosos ligados às milícias. Moro trabalha para um sujeito que, como disse Lula, governa para milicianos.
A milícia impune ofende o ex-juiz como parte da estrutura de poder dos Bolsonaros. Mas o chefe de Dallagnol não se sente ofendido.

E OS MILICIANOS?

A Lava-Jato tenta limpar a barra e, num momento ruim, anuncia que investiga bancos suspeitos de omissão ou conivência com a lavagem de dinheiro.
O que se conclui: é possível até investigar os bancos, mas poucos se atrevem a tocar nos milicianos do Rio amigos dos Bolsonaros.
Os promotores que tentaram, no caso do Queiroz, se deram mal.

UMA CIDADE SOB CONTROLE DOS FASCISTAS

Uma cidade que se cala, como o Rio se calou, diante do assassinato de uma criança por milícias do próprio Estado que deveria protegê-la, é uma cidade que não pode exigir o respeito de ninguém.
Se não reagir amanhã, se continuar alienado, se permanecer indiferente à matança de pobres, negros e crianças, o carioca estará dizendo que aceita a barbárie de Witzel porque não tem forças para enfrentá-lo.
O carioca elegeu um pastor pilantra como prefeito e um juiz justiceiro como governador e construiu a carreira de uma família orientadora e inspiradora de tudo o que esses dois têm de pior.
O Rio incapaz de reagir ao extermínio ordenado pelo governo não precisa dizer que está indignado com o assassinato de Ágatha. Indignação é a palavra mais gasta e imprestável do Brasil do bolsonarismo.
O carioca deveria reagir, parar a cidade e derrubar pela força das ruas o governador criminoso que o massacra com tiros de fuzil. Mas o carioca dorme quieto, sabendo que amanhã os milicianos de Witzel voltarão a matar os pobres.
Se a polícia não matar um rico na Barra ou em Ipanema, a classe média continuará dormindo sem culpas.
O Rio é hoje a cara do Brasil dividido, quebrado, sem emprego, sem direitos, sem perspectivas, mas bovinamente submetido ao controle absoluto do fascismo bolsonarista.

O porto dos milicianos

A Globo cutucou Bolsonaro no JN com a pauta das máfias do contrabando do Porto de Itaguaí, no Rio.
As máfias derrubaram o comando dos auditores fiscais e o superintendente da Polícia Federal, que vinham reprimindo os contrabandistas.
A bandidagem do contrabando trabalha articulada com os milicianos amigos da família Bolsonaro, que controlam a região.
O que Sergio Moro pensa disso tudo? Moro é muito cuidadoso e não comenta nada que envolva as milícias.