As mulheres

Gosto muito desse vídeo que fiz ontem no centro de Porto Alegre, porque só tem mulheres. São valentes nesses tempos de fascismo espalhado por toda parte.
Quando o grupo de atuadores do Ói Nóis Aqui Traveiz se dispersou, ao final da performance “Onde? Ação Nº 2”, acompanhei essa moça até a descida da Borges, em direção ao Mercado. Um sujeito passou gritando: vagabundas.
Não sei se ela não continuou até a beira do Guaíba soletrando e soltando os papeizinhos com os nomes de mortos e desaparecidos na ditadura.
Eu parei, ela continuou. A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz não para. Que bravura. Me comove a valentia dos atuadores.

Gosto muito desse vídeo que fiz ontem no centro de Porto Alegre, porque só tem mulheres. São valentes nesses tempos de fascismo espalhado por toda parte.Quando o grupo de atuadores do Ói Nóis Aqui Traveiz se dispersou, ao final da performance “Onde? Ação Nº 2”, acompanhei essa moça até a descida da Borges, em direção ao Mercado. Um sujeito passou gritando: vagabundas.Não sei se ela não continuou até a beira do Guaíba soletrando e soltando os papeizinhos com os nomes de mortos e desaparecidos na ditadura.Eu parei, ela continuou. A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz não para. Que bravura. Me comove a valentia dos atuadores.

Posted by Moisés Mendes on Tuesday, December 4, 2018

O ADMIRADOR DO TORTURADOR

Uma cena perto da Esquina Democrática no início da tarde. A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz reapresentava a performance “Onde? Ação Nº 2” sobre a tortura, os assassinatos e os ‘desaparecimentos’ no tempo da ditadura.
Os gaiatos passavam e gritavam: ‘viva Bolsonaro’, ou ‘vocês vão ver as armas do Bolsonaro’, ou ‘vão trabalhar, vagabundos’.
Até que um gritou: ‘viva a memória do general Ustra. Ustra vive’ (errou a patente do torturador, que morreu como coronel).
O ator Eugênio Barboza virou-se e caminhou atrás do gaiato, que seguiu pelo calçadão em direção à Praça da Alfândega.
Dia 13, o grupo retorna à Esquina para reapresentar Ação Nº 2, no dia do aniversário do AI-5. Outros adoradores de Ustra estarão circulando por ali.

O ADMIRADOR DO TORTURADORUma cena perto da Esquina Democrática no início da tarde. A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz reapresentava a performance “Onde? Ação Nº 2” sobre a tortura, os assassinatos e os ‘desaparecimentos’ no tempo da ditadura.Os gaiatos passavam e gritavam: 'viva Bolsonaro', ou 'vocês vão ver as armas do Bolsonaro', ou 'vão trabalhar, vagabundos'. Até que um gritou: 'viva a memória do general Ustra. Ustra vive' (errou a patente do torturador, que morreu como coronel).O ator Eugênio Barboza virou-se e caminhou atrás do gaiato, que seguiu pelo calçadão em direção à Praça da Alfândega.Dia 13, o grupo retorna à Esquina para reapresentar Ação Nº 2, no dia do aniversário do AI-5. Outros adoradores de Ustra estarão circulando por ali.

Posted by Moisés Mendes on Monday, December 3, 2018