Lágrimas por Reinaldo Azevedo

Muita gente se emocionou e chegou às lagrimas com as declarações de amor de Reinaldo Azevedo a Lula e à democracia em um evento em São Paulo pela liberdade de imprensa.
Ajuda a entender a situação que vivemos. O bolsonarismo fragilizou os mais emotivos e produziu todo tipo de oportunista.
A pilantragem marqueteira dos arrependidos só existe se desperta esses sentimentos.
Parte das esquerdas está carente demais. É dureza tomar um porre de absinto e se apaixonar por Reinaldo Azevedo.
Tudo bem que acolham esse pessoal na luta desesperada contra a família miliciana, mas sem tanta emoção e sem beijo na boca.

A TRAIÇÃO DE REINALDO AZEVEDO

A direita sempre divertiu a esquerda com suas ideias. A direita tinha caras espertos, com um humor de dar inveja à esquerda, um Francis, um Roberto Campos, um José Guilherme Merquior, um gênio como Nelson Rodrigues.
O problema hoje é que não há mais ninguém. O único cara de direita que nos divertia virou de esquerda. Reinaldo Azevedo traiu a confiança da esquerda como inimigo a ser invejado.
Eu ainda li por algum tempo o Percival Puggina, que escreve bem e tem um mau humor divertido. Mas um dia ele defendeu a Damares. E também defendeu o Vélez-Rodriguez. E ainda defendeu o Ernesto Araújo. Achei que fosse gozação, mas não era. Desisti do Puggina.
A direita vive hoje de gente como Augusto Nunes, Merval e Olavo de Carvalho. Mas Augusto Nunes é muito raso, e Olavo de Carvalho e Merval são muito chatos. O Carlucho Bolsonaro é melhor do que eles.
Mas o Carlucho é muito tímido e escreve sempre no máximo duas linhas e só no Twitter. O fôlego da direita bolsonarista é para um parágrafo.
Reinaldo de Azevedo deveria voltar a ser de direita. Não tem graça ler Reinaldo Azevedo para concordar.
Para concordar, eu leio Luis Fernando Verissimo.

Veja e seus leitores se merecem

Editorial da Veja lamenta que os grampos ilegais se alastrem na Lava-Jato e pede que os direitos individuais sejam respeitados.

A imprensa golpista aposta na ignorância da classe média para produzir textos como este. Veja foi uma das grandes beneficiadas por grampos e vazamentos seletivos de delatores contra Lula, Dilma e o PT.

Agora, Veja, Reinaldo Azevedo, Gilmar Mendes, a Globo e muitos outros articuladores do golpe e da caçada a Lula e Dilma se rebelam contra escutas e vazamentos porque a direita passou a ser ameaçada.

O detalhe importante dessa reviravolta é o deboche que desafia a capacidade de discernimento dos leitores. Veja sabe que um contingente importante (a maioria dos assinantes da revista) se submete à manobra oportunista da nova retórica legalista.

Os que percebem o cinismo não interessam à Veja. O que importa para a revista é o auto-engano dos seus leitores com a conversa fiada da defesa atrasada das garantias individuais e da Constituição.

Veja desfruta do servilismo da classe média que bateu panelas e foi entorpecida pelo golpe que ajudou a produzir. Eles se merecem.

 

O cinismo do confidente de Andrea Neves

Há mais de dois meses, no dia 19 de março, a jornalista Paula Cesarino Costa, ombudsman da Folha de S. Paulo, denunciou em sua coluna que procuradores federais vazavam informações da chamada lista de Janot. A lista tinha os nomes dos políticos delatados por corruptores.

Ninguém fez nada. O procurador-geral Rodrigo Janot disse que não havia o que fazer. E o juiz Sergio Moro, divagando sobre o assunto, afirmou que investigar vazamentos era como “caçar fantasmas”.

Ninguém da imprensa reforçou a denúncia de Paula, nem mesmo o próprio jornal em que ela trabalha, porque isso não interessava à direita. Nem mesmo quando a jornalista reafirmou que tinha mais de três fontes para provar o que havia escrito. E repetiu: os vazamentos são feitos por procuradores.

É muita ironia que agora o ministro Edson Fachin exija explicações sobre vazamentos da Procuradoria-Geral da República a partir do caso do grampo de Reinaldo Azevedo com a irmã de Aécio.

Azevedo sempre fez parte da torcida dos vazamentos seletivos, quando atingiam Lula, Dilma ou alguém do PT. Azevedo, o confidente da irmã de Aécio (com quem conversou com evidente intimidade), o herói da direita golpista, é um cínico.

Investigar vazamentos somente agora, porque Reinaldo Azevedo foi vítima do que pregava com ferocidade, é um deboche com o jornalismo.

Por que Azevedo merece tratamento vip do Supremo? O que ele tem que outros vazados não têm?

E a entrevista?

Se Reinaldo Azevedo estava atuando como repórter, quando conversou com Andrea Neves e foi grampeado, num momento delicado das investigações que levariam a tucana à cadeia, onde está entrevista que ele fez?

O que Andrea Neves disse a Reinaldo Azevedo que possa ser publicado, mesmo que com atraso? Ou Reinaldo Azevedo conversou com uma investigada como laranja de Aécio em busca de informações que não poderiam ser divulgadas?

O que Reinaldo Azevedo ficou sabendo, naquela e em outras conversas, que até agora nós não sabemos? Ou os contatos eram apenas de grandes amigos, sem qualquer relação com o trabalho de Azevedo?

 

Jornalismo?

A ironia presente no caso Reinaldo Azevedo é a exaltação da Constituição para a defesa de um vândalo do jornalismo. Este sujeiro nunca se preocupou com a preservação da intimidade e dos direitos individuais dos que ele caça compulsivamente.
Azevedo é um amiguinho confidente na conversa com Andrea Neves grampeada pela Polícia Federal. Não é um jornalista em atividade. É o consolador de uma criminosa certa de que seria presa.
Não sejamos ingênuos. Defendê-lo como jornalista, nessas circunstâncias, é ofender quem faz jornalismo.
Mas eu também entendo que, mesmo assim, o grampo não deveria ser divulgado. É um grampo inútil. A única parte interessante é quando o vejeiro juramentado fala mal da sua Veja.
Só não tratem Azevedo como herói das liberdades e do jornalismo. Azevedo sempre foi o herói de gente da turma de Andrea Neves.
Azevedo é o herói de golpistas e fascistas.

Mutações

Ainda sobre o Diogo Mainardi. Tenho um amigo que vê o Manhattan Connection todos os domingos. Ele está certo de que vai testemunhar algo nunca visto na TV.

É este amigo que tenta me convencer de que a qualquer momento Diogo Mainardi pode virar um homem-mosca ao vivo ou alguma coisa gosmenta.

Eu explico a ele que a GloboNews grava o programa. Mas ele insiste que, quando perceberem que o Mainardi está pronto para a mutação, a TV fará  tudo ao vivo.

Ele cita os indícios e as convicções. O tormento da voz desafinada, as expressões do rosto cada vez mais estranhas, as vacilações na construção das frases, tudo isso mostra que Mainardi não está bem.

Eu digo ao meu amigo que isso talvez seja apenas um truque em busca de audiência. E o meu amigo começa a contar então que Reinaldo Azevedo também anda estranho.

E que outros, além do Mainardi e do Reinaldo, também podem estar em estágio de mutação. Vai saber o que o depoimento de Lula em Curitiba fez com essa gente.

Engraçadinhos de direita

A direita mais agressiva e engraçadinha deverá ser mais cuidadosa, depois de saber do estrago que ameaça o bolso do humorista Reinaldo Azevedo. A Justiça de São Paulo condenou Reinaldo a pagar R$ 100 mil à cartunista Laerte.

O humorista da Veja escreveu que Laerte era uma “fraude moral”, “baranga moral”, “fraude de gênero” e “fraude lógica”.

O humorista vai recorrer, com o argumento de que este é “seu estilo jornalístico característico”. Como os engraçadinhos da direita raramente são condenados, talvez Reinaldo leve apenas um susto e continue com seu estilo moral.

Há jornalistas-radialistas gaúchos que usam o mesmo estilo por imitação, mas aqui está tudo liberado, desde o dia em que um humorista-radialista-golpista recomendou que os bandidos matem um colega de rádio e toda a família. Tudo com o argumento bem básico de que o sujeito discorda das opiniões do outro que deve morrer.

E o homem que insinua poder fazer algum pacto com bandidos continuou dizendo tudo o que pensa, em nome das liberdades, como se estivesse em Aleppo.

Liberal, sim… Idiota, não

Leia esse trecho, é muito bom:

“Que ele se desculpe e admita seu erro ou que seja punido exemplarmente por aquilo que praticou: apologia do estupro – mas não de todas as mulheres, claro! Só das boas, bonitas e que fazem seu gênero”.

É de um texto da lavra do Reinaldo Azevedo. Reinaldo sugere que Bolsonaro peça desculpas à deputada Maria do Rosário. Se não pedir, que se ferre no Supremo.

Mas Reinaldo não é da direita? É, mas, como ele mesmo diz no artigo que está na Folha de hoje, não é um liberal idiota. Reinaldo acha que Bolsonaro cometeu crime.

Vocês devem se perguntar: ué, mas até tu lendo o Reinaldo? Sim, leio. Ele é o cara (até por causa do humor) em meio à mediocridade generalizada dos escribas de direita. Nunca antes neste país o reacionarismo esteve tão mal de texto.

Leio Reinaldo uma vez por semana, que é o máximo recomendado por um neurologista amigo meu.