Marina poupada

Fiquei até agora vendo a entrevista de Marina Silva a Roberto d’Avila, na GloboNews (não sei se é reprise), para ouvir frases como “é preciso passar o país a limpo” e “ninguém está acima da lei”.
Nenhuma pergunta, uma só que fosse, sobre questões essenciais, que estão acima dos temas meramente políticos, como as sempre controversas questões de gênero, relações homoafetivas e respeito à singularidade de cada um.
Parece que os jornalistas brasileiros perderam a capacidade de perguntar (e não de interrogar, mas de perguntar mesmo), para não incomodar seus entrevistados com assuntos delicados.
E essas questões são sempre delicadas para a titubeante e enrolante Marina, que parece ter perdido vigor na defesa de ideias resumidas em frases do senso comum.