RACISTAS

Donald Trump faz nos Estados Unidos com os imigrantes o que muitos descendentes de imigrantes do Rio Grande do Sul gostariam de fazer com aqueles que percorrem caminhos semelhantes aos dos seus ancestrais.
Ambos, Trump e muitos descendentes gaúchos de imigrantes europeus, são racistas. São mais do que xenófobos. São racistas mesmo.
O site do UOL reproduz hoje uma reportagem da BBC sobre Friedrich Trump, o avô de Trump. E o avô de Trump foi um imigrante alemão miserável que chegou aos 16 anos a Nova York, em 1885.
O velho Trump viajou na terceira classe de um navio. Sem nada. Sem saber falar uma palavra de inglês. Sem dinheiro. Apenas com o sonho de sair da miséria e prosperar.
Pois prosperou. Mas hoje seu neto rico odeia imigrantes. E muitos dos racistas gaúchos sofrem do mesmo mal. Muitos descendentes de colonos europeus que chegaram aqui sem nada são racistas.
Vale para os descendentes das mais variadas etnias. A maioria dos seus ancestrais chegou aqui como escória da Europa. Muitos eram criminosos que saíram da cadeia e foram despachados para a nova terra.
A Europa se livrou dos que não tinham propriedades e não conseguiam competir no ambiente da revolução industrial. Se ficassem lá, morreriam de fome.
Mas seus descendentes da quarta ou da quinta geração são racistas. Não a maioria. A maioria sabe suas origens e respeita os migrantes do século 21. Mas uma minoria, se pudesse, mandaria haitianos, senegaleses e outros imigrantes de volta.
Por não gostarem de ‘estranhos’ e miseráveis, por temerem a competição com os pobres que chegam de fora. Por ódio mesmo. É triste, mas é real. Negar a xenofobia e o racismo só nos envergonha ainda mais.
(O link da reportagem está na área de comentários.)