Está chegando a hora do enterro dos ossos do bolsonarismo

Um robô da inteligência artificial talvez saiba dizer, mesmo que chute muito, qual é a base social de Bolsonaro hoje.

Porque não há inteligência humana capaz de dizer, num retrato do momento, que base ainda sustenta o que restou do protagonista da mais esdrúxula e monstruosa aberração da política brasileira.

Não é uma tentativa de adivinhação do que ele poderá ser mais adiante, se não for preso e/ou tornado inelegível. É um retrato atual, difícil de capturar e mensurar.

Passado o Carnaval, e quando o ano de fato terá início, qual será o tamanho de Bolsonaro, que parece não ter forças para sobreviver?

Cientistas políticos que vislumbraram futuros incertos para Bolsonaro, até às vésperas da eleição de 2018, erraram longe. O futuro distópico os derrubou.

Em 2022, passado e presente enredaram os que tentavam desvendar a força de Bolsonaro diante de Lula e o que haveria de real no blefe do golpe.

Sua base social deve estar confusa com um líder que atiça um golpe, foge depois da eleição, enfrenta a ameaça de cassação dos direitos políticos e não sabe com quem pode contar.

Essa base vai esperar para ver o que sobrou dele. Já a base parlamentar, que existe em grande parte por causa de Bolsonaro, começa a calibrar agora o grau de fidelidade que o sujeito merece a partir dessas variantes.

Por que uma base política movediça, que tudo negocia, iria continuar fiel a um traste sem futuro?

E não há equivalência entre a base de Lula no Congresso e a base de Bolsonaro. Mesmo que alargada por locação e por empreitada, a base frágil será de Lula.

Mas a base de direita e extrema direita não é necessariamente de Bolsonaro, é dela mesma e existe pela própria sobrevivência.

A outra base, a do suporte funcional, de raiz, de ajudantes-de-ordens e do entorno que o tutelava e apostava no bolsonarismo eterno, essa se esfarelou.

Esse entorno não tem vitalidade fora do poder e está disperso ou atordoado pela ausência do líder, considerando-se os quadros de ponta civis e fardados.

Bolsonaro pode ser, daqui a pouco, uma trouxa disforme empurrada de um lado para o outro pelo centrão e até pelo PL.

Teremos em breve o jogo pra valer de Lula x Congresso, o começo dos preparativos para as eleições municipais de 2024 e a reacomodação das forças que já pensam no espólio do indivíduo.

Como Bolsonaro participará desses bailes, se sempre foi um político medíocre e nunca teve talento para dançar com cobras criadas?  

O cenário é ruim. Os manés do 8 de janeiro estão presos, outros estão na fila. Ainda este ano Alexandre de Moraes deve cobrar a conta do Gabinete do Ódio. 

Tarcísio de Freitas asfalta sua própria estrada. E Bolsonaro terá de decidir, em meio ao enterro dos ossos, se volta ou se foge do que o espera na Justiça.

Não há como escapar da prova que dirá, talvez ainda este ano, por indicadores variados, o que é bolsonarismo e o que é fascismo, extremismo e terrorismo sem Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 8 =