A ENTREVISTA

Ainda sobre a entrevista de Fernando Haddad a William Bonner e Renata Vasconcelos no Jornal Nacional. Algumas perguntas:

1. A dupla atacou desde o início apenas para tentar desqualificar Lula, Dilma, o PT e Haddad? Não.

2. Foram agressivos para que ficasse claro que eles têm a razão e que os petistas são todos corruptos, enquanto Alckmin e os tucanos seriam honestos? Não.

3. Interromperam Haddad várias vezes para mostrar que eles são os espertos e têm mais argumentos e sabedoria do que o candidato do PT? Também não.

A desqualificação de Lula, Dilma, do PT e do próprio Haddad (chamado de poste) era o que a Globo esperava de ganho acessório. O grande ganho era outro.

Bonner e Renata não estavam preocupados em desconstituir o PT, porque fazem isso todos dias e não precisavam gastar tempo com ataques que a imprensa de direita repete sem parar em horário nobre da TV e nos jornais.

O que eles tentaram fazer, por orientação do alto comando, foi desestabilizar Haddad. Tudo o que eles buscaram todo o tempo foi isso: com as acusações, queriam forçar Haddad ao erro, ao vacilo e, o que seria pior, ao descontrole.

A entrevista não foi feita para atacar por atacar. Os ataques foram parte do esquema montado para que Haddad tombasse diante deles, ao vivo, em rede nacional, por desinformação, insegurança ou agressividade.

O Jornal Nacional queria que, ao final da entrevista, um Haddad descabelado fosse mostrado ao Brasil como alguém sem condições de governar.

O que se viu foi o contrário. Os dois tombaram diante de um Haddad que, se cometeu algum erro, foi o de excesso de cordialidade com dois agressores que mais uma vez desqualificaram o jornalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


7 + 4 =