A INFORMANTE DE MACRI

Os espiões que seguiam Cristina Kirchner, no esquema de arapongagem montado dentro do governo de Mauricio Macri, grampeavam os próprios parceiros. E admitiam nas conversas entre eles que o grupo se chamava Super Mario Bros.

Hoje, o jornal Pagina 12 divulga conversas entre chefes dos espiões que tinham a missão de seguir Cristina Kirchner, jornalistas, sindicalistas, senadores e deputados.

Dois personagens estão sendo apontados como decisivos para que as investigações, sob o comando de um juiz federal, cheguem a Mauricio Macri.

Um dos orientadores dos espiões que faziam o trabalho de campo é Susana Martinengo (foto), que foi secretária de documentação da Casa Rosada. Era pessoa próxima de Macri.

Ela é uma das grampeadas. O outro personagem, que também interagia com Susana como assessor particular de Macri, é o advogado Darío Nieto, “O Sombra”.

Nieto (foto) é considerado a pessoa que mais sabe da vida de Macri, porque o acompanhava em todos os deslocamentos e trabalhava ao lado do chefe. Ele e Susana passavam os informes dos arapongas ao presidente. A estrutura usava quadros da AFI (Agência Federal de Inteligência da Argentina).

Os jornais de esquerda da Argentina estão divulgando detalhes do caso desde a semana passada, a partir de informações do juiz Federico Villena.

A imprensa conservadora, toda macrista, não teve como ignorar o assunto e também começa a abordar o escândalo, mesmo que com certa timidez.

Abaixo, estão dois links de reportagens de hoje do Página 12 sobre os grampos e sobre Nieto.

https://www.pagina12.com.ar/274771-espionaje-ilegal-los-dialogos-que-comprometen-a-mauricio-mac

https://www.pagina12.com.ar/274581-espionaje-ilegal-allanaron-la-casa-de-un-secretario-de-mauri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 9 =