A JOGADA ENSAIADA DOS BOLSONAROS COM KAJURU

Flavio Bolsonaro ameaça entrar com queixa contra Kajuru, no Conselho de Ética do Senado, por ter divulgado a conversa com o pai fanfarrão.

É mais uma jogada das facções que tomaram o poder. Bolsonaro decidiu participar da armação com Kajuru, autorizou a divulgação da ameaça, esperou as reações, sentiu que pode ter cometido outro erro e decidiu recuar.

Olhem essa foto e imaginem se Flavio e Kajuru são colegas que convivem apenas de forma protocolar.

Flavio foi escalado pela família para criar a cena de espanto de que a conversa foi vazada e preparar o teatro do Conselho de Ética.

Kajuru teria traído Bolsonaro. O filho dono da casa de R$ 6 milhões sabe que não dá nada contra o coleguinha no tal conselho.

Não deu contra ele mesmo, na história da casa, e nem contra o irmão Dudu, que ameaçou com a volta da ditadura e saiu impune.

A história do Kajuru pode ter sido mais uma em que Bolsonaro fica na beira do penhasco, à espera de um empurrão. Mas parece que ainda não será desta vez.

Até mesmo o novo trecho vazado, em que Bolsonaro ameaça o senador Randolfe Rodrigues (“Vou ter que sair na porrada com um bosta desses”), pouco acrescenta como agravante.

Bolsonaro sabe que pode continuar ameaçando governadores, prefeitos, o Supremo, o Congresso, a imprensa. Até acontecer a vacilada.

Uma hora vai acontecer. Será um detalhe inesperado. Mas figuras com o perfil de Bolsonaro tropeçam no detalhe. Bolsonaro está cada vez mais cercado de detalhes, de generais abandonados pelo caminho e de cadáveres de ex-aliados.

O que mais tem na vida de Bolsonaro é detalhe à espera de um tropeço. Alguns detalhes estão em estado de putrefação.

__________________________________________________________________

O VALENTE
A Globo pegou pesado com Bolsonaro em reportagem sobre armas no Fantástico.

Sonia Bridi reconta de novo a situação vexatória (para um valente armamentista) enfrentada por Bolsonaro em 1995.

O sujeito foi assaltado por dois homens e perdeu a moto e uma pistola.

Sonia Bridi lembra da frase de Bolsonaro na época: “Mesmo armado, me senti indefeso”.

A Globo mostra que Bolsonaro é a prova de que o porte de uma arma não significa garantia de defesa. Geralmente, como nesse caso, é o contrário.

O homem que teria roubado ou receptado a arma de Bolsonaro apareceu, por coincidência, morto dias depois dentro de uma cela.
Não há um exemplo, um só, de que Bolsonaro e os filhos tenham alguma vez na vida enfrentado e vencido um bandido.

O que se sabe é que a família sempre foi amiga de bandidos. Nem é preciso citá-los.]

__________________________________________________________________

POBRE DIABO
A mobilização dos pastores em defesa dos cultos presenciais tem explicação em reportagem de Vinícius Valfré, no Estadão.

A queda da arrecadação do dízimo nas igrejas ligadas ao bolsonarismo está entre 40% e 50%.

O Pix não fideliza os fiéis. A questão toda é financeira. Eles precisam fazer cultos e trazer de volta os devedores.

Deus está fora dessa história e é provável que até o diabo esteja sendo usado indevidamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


6 + 7 =