A JUSTIÇA QUE RASTEJA

O jogo de empurra sobre a autorização para Lula ir ou não ao velório do irmão ampliou a certeza sobre o acovardamento das instituições.
Para todas as autoridades que lidam com a caçada a Lula, incluindo o ex-juiz sumido, o ex-presidente é um preso comum. Mas todas as decisões que envolvem Lula, desde antes da condenação, provam que não é bem assim.
Lula foi impedido de participar da eleição que venceria com facilidade e ainda é um temido preso político. E será temido cada vez mais, enquanto aumenta o constrangimento criado pelos milicianos que chegaram ao poder.
Lula é preso político. A História irá mostrar um dia, sem citar seus nomes (porque ninguém se lembrará de nenhum deles), como a direita aparelhou o Ministério Público e o Judiciário, com a cumplicidade de órgãos que atuam como apêndices.
Nem na ditadura o Judiciário rastejou tanto. A Justiça brasileira merece chegar ao estágio mais baixo de subserviência e degradação.
Depois da obediência aos tucanos corruptos e impunes, os juízes submetem-se agora às ordens do bolsonarismo, em todas as instâncias.

2 thoughts on “A JUSTIÇA QUE RASTEJA

  1. Já sabia que não libertariam o lula.
    Em 1980 romeu tuma deixou que lula visita-se a sua que estava com cancer no hospital. Lula viu ela antes de ela morrer. Moro etc são piores que qualquer carcereiro.

Deixe uma resposta para Gerson luis miltzarek Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


4 + 5 =