A Lava-Jato tem medo do quê?

O que os procuradores da República temem quando atacam o pedido de Lula pela total transparência na filmagem do depoimento do dia 10 em Curitiba?

Lula defende que as câmeras captem quem está falando, e não só quem está depondo. Até agora, o método usado nos depoimentos ao juiz Moro (e ao Tribunal Superior Eleitoral) deixa o depoente parado ouvindo alguém que ninguém enxerga. Por quê?

Em nome de que tipo de transparência as filmagens omitem quem faz perguntas? Será bom para todos (ou não para a Lava-Jato?) que o Brasil veja Lula e Moro.

O procurador Deltan Dallagnol é contra, porque as câmeras poderiam captar conversas sigilosas na sala.

É um argumento que qualquer técnico em gravações derruba. Desde o século passado os microfones podem captar apenas quem fala, sem pegar o som ao redor.

Mas ninguém pode querer que a Lava-Jato entenda tanto de filmagens e de microfones quanto entende de powerpoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


4 + 9 =