A VACINA É UMA MIRAGEM

Quem finalmente consegue se vacinar é tomado pela sensação boa de que está a caminho da proteção tão esperada. A vacina é percebida quase como um milagre que parece estar vencendo o projeto genocida de Bolsonaro.

Mas, no entusiasmo, quase na euforia, não digam, por favor, que a vacinação está andando muito bem e que o ritmo até surpreende. Não está.

A sensação pessoal de segurança oferecida pela imunização, em meio a tanto medo, não pode nos enganar a ponto de fazer achar que estamos satisfeitos.

A grande maioria não sabe quando será vacinada. Nossos filhos, sobrinhos, netos e os filhos dos amigos e dos nossos vizinhos, os pobres, os negros, os índios não sabem quando terão a chance de se imaginar em uma fila. Sim, também os índios são enganados pelo bolsonarismo, ou principalmente eles.

Vamos reconhecer a dedicação e o heroísmo dos servidores da saúde. A crítica à lentidão não tem relação nenhuma com o SUS e as equipes de saúde pública. Nem pode ter.

Quem sabotou a vacinação foi o governo, que retardou compras e nos deixou nas mãos de João Doria e do Butantan. Sem Doria, não haveria vacina na arrancada.

Receberam a primeira dose 24 milhões de pessoas, ou 11% da população. Sem a chinesa CoronaVac do Butatan, teriam sido apenas 480 mil pessoas vacinadas com a Astrazeneca. Sem a vacina tucana, o Brasil seria o maior fiasco mundial.

Quando começarem a chamar a turma ao redor dos 50 anos (mas quando?), nos daremos conta de que a vacinação ainda é uma miragem. Ninguém sabe mais, daqui pra frente, quando será vacinado.

Quando a idade for inferior a 60 anos, teremos as mais angustiantes esperas, porque aumentam os contingentes por faixa etária. A promessa de aceleração do ritmo de produção é sempre uma promessa.

A vacinação no Brasil vai chegando à sua etapa mais dramática, no maior pico de contágio e de mortes. Os jovens estão adoecendo e morrendo mais, e eles serão os últimos na fila.

Quando será vacinado quem tem 20 anos e pega quatro ônibus todos os dias para ir e voltar do trabalho?

Não vamos passar pano, anistiar o genocida e dizer que a vacinação anda. Não anda. Quem escreve aqui é um vacinado com a primeira dose, mas que não sabe quando os filhos, as mulheres deles, os amigos e os amigos dos amigos deles e os filhos dos vizinhos serão vacinados.

Quando será vacinado o pedreiro que canta na obra aqui ao lado de onde moro?

A vacinação só funciona se for um bem coletivo e tiver um ritmo contínuo e seguro. É o que os epidemiologistas repetem. Até agora é uma conquista quase individual de uma minoria.

Não há vacina e talvez por isso não exista uma campanha consistente pela vacina. Ninguém sabe qual é a programação da vacinação. O governo não chama como deveria os que tomaram a primeira dose e não aparecem mais. A sabotagem coordenada por Bolsonaro anestesiou o Brasil.

Dizer, para parecer otimista, que está tudo bem é concordar com Bolsonaro. Sejamos esperançosos, mas não vamos subestimar, com nossa sensação de imunizados, o drama dos que não sabem quando sentirão o que estamos sentindo. É triste, mas assim é.

2 thoughts on “A VACINA É UMA MIRAGEM

  1. Não se pode esquecer de que as 2 vacinas precisam da segunda dose. E ela já começa a faltar em alguns municípios. E, para piorar, a contaminação e o número de mortes na Índia aumentam a cada dia, o q pode comprometer o envio do produto para o Brasil. E a China pode enviar prioritariamente para seus vizinhos. São variáveis Preocupantes que mostram a inação e a negligência da grande maioria dos gestores no combate à pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 5 =