APARELHAMENTO, PERSEGUIÇÃO E RESIGNAÇÃO

Ricardo Salles só demitiu a servidora de carreira Marisa Zerbetto da Coordenação-Geral de Avaliação e Controle de Substâncias Químicas porque sabe que não acontecerá nada.
Marisa conspirava contra a liberação geral de venenos para a lavoura. Como o bolsonarismo aparelhou o Estado, a limpeza de gente incômoda continua. E só continua porque os colegas de Marisa ficarão quietos. A maioria ficará.
Ficam quietos diante dos desmandos do ministro analfabeto que aparelhou o Ministério da Educação, aquietam-se na área da segurança ocupada pela turma de Sergio Moro, ficam silenciosos na pasta dos direitos humanos de Damares.
Servidor público de carreira é funcionário permanente de Estado, não é subalterno eventual de Bolsonaro.
Por que a extrema direita vai se apoderando da estrutura de áreas decisivas do setor público e não acontece nada?
O que há hoje no serviço público que não existiu nem na ditadura, quando os rebeldes foram cassados e condenados a viver na penúria, mas seus colegas continuaram resistindo e sendo cassados?
A demissão de Marisa Zerbetto é resultado dessa apatia, da mesma resignação com que foi tratada a demissão de Ricardo Galvão do Inpe, enquanto índios são mortos, a Amazônia é devastada e as lavouras, os rios e os alimentos são envenenados.
O bolsonarismo conseguiu controlar e calar o serviço público. Até quando?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 9 =