AS CRUZES, O PAI E OS FASCISTAS

O que um bolsonarista fez hoje em Copacabana, arrancando as cruzes de uma homenagem-protesto fincadas na areia, é o que Bolsonaro deseja que eles façam.

Os bolsonaristas tentarão o confronto, sempre como pregadores da morte, para que uma reação enérgica ou mesmo violenta seja a justificativa para o golpe ou algo parecido.

Pois eles conseguiram, ao profanar o cemitério simbólico na areia, provocar a mais forte imagem da reação ao fascismo – a cena do homem que recoloca as cruzes de volta (foto).

O vídeo que todos compartilham é a síntese do Brasil assustado, mas não acovardado diante do avanço dos fascistas.

O homem negro não é um militante qualquer, é o pai de um jovem morto pelo coronavírus. Ele participou da homenagem às vítimas da pandemia e que é também uma crítica ao governo.

A organização Rio de Paz abriu as covas e fincou dezenas de cruzes na areia. O homem incomodado que invadiu o espaço, com jeitão de militar, estava acompanhado de uma claque.

Mas não esperava a atitude do pai agredido. “Meu filho morreu com essa merda aí. Vinte e cinco anos”, dizia o homem negro, enquanto recolocava as cruzes.

Procurei e não achei, nas muitas reportagens sobre o caso, o nome do pai que nos comove ao desafiar os bolsonaristas.

Pena que não tenha aparecido mais ninguém para ajudá-lo na tarefa de enfrentar a turba que anda de braços dados com a peste.

No link abaixo, o vídeo. O homem que arrancou as cruzes é o de óculos escuros, que está no começo do vídeo.

https://youtu.be/hkC5M4mnqN8

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 7 =