AS NOVAS LIÇÕES DOS BOLIVIANOS

Bolsonaro blefou mais uma vez sobre as provas que iria apresentar sobre fraudes na eleição de 2014. Na tradicional live com as bobagens das quintas-feiras, sentou-se ao lado de um sujeito apresentado como um técnico “analista de inteligência” e anunciou:

– Eduardo vai demonstrar alguma coisa.

Alguma coisa era coisa nenhuma. Nem Bolsonaro nem Eduardo, de quem não se sabe o sobrenome, nem outro sujeito que aparece simulando fraudes em urnas conseguiram provar nada.

Bolsonaro admitiu, já no meio da live, que não tinha provas, mas apenas indícios. E os indícios não eram indícios de coisa alguma.

Bolsonaro prepara, com a história das fraudes e com a insistência com o voto impresso, uma confusão como as que aconteceram em 2014 no Brasil (com Aécio pedindo recontagem), no ano passado nos Estados Unidos, em 2019 na Bolívia e este ano no Peru.

A direita descobriu que, após uma derrota, o que deve fazer é contestar o resultado e provocar o caos. A confusão desmoraliza o processo eleitoral e a democracia.

No caso boliviano, as denúncias de fraudes apresentadas pelos candidatos da direita, derrotados por Evo Morales, provocaram o golpe de novembro e depois os massacres de Senkata e Sacaba. Militares e policiais mataram 36 pessoas.

Esta semana, o Ministério Público finalmente arquivou todas as denúncias, feitas a partir de suspeitas golpistas levantadas pela Organização dos Estados Americanos.

Só que lá está havendo um acerto de contas, que já levou os ex-comandantes das três armas e os chefes da Polícia Nacional para a cadeia, junto com os civis que lideraram o golpe, e pode agora encarcerar também os denunciadores da fraude.

Esta semana, ex-funcionários do Tribunal Supremo Eleitoral da Bolívia, o TSE deles, anunciaram a criação da Associação de Ex-Autoridades Eleitorais Vítimas de Perseguição.

A entidade vai processar os acusadores das fraudes que não existiam e que resultaram numa caçada a juízes eleitorais, vogais e servidores da Justiça, muitos deles afastados dos cargos.

Todos foram acusados pela direita e pela extrema direita de favorecerem o Movimento ao Socialismo (MAS), de Evo Morales, durante a apuração.

O argumento dos acusados é o de que tiveram carreiras e reputação abaladas pelas insinuações, lideradas principalmente por Carlos Mesa, ex-presidente e candidato da Comunidade Cidadã, da direita, derrotado por Morales no segundo turno.

Os denunciadores serão processados por dano moral (causas cíveis) e também criminalmente. Os acusadores enfrentarão outros processos que podem ser movidos pelo Estado.

O procurador-geral do Estado (o Augusto Aras deles), Wilfredo Chávez, também anunciou essa semana que Mesa e outros cúmplices nas acusações serão processados pelos danos provocados pelas denúncias, principalmente o golpe e os massacres decorrentes dos tumultos provocados pela queda de Morales.

“Os que disseram que havia uma fraude monumental terão de prestar contas à Justiça, porque provocaram um golpe de Estado, luto, dor e perseguições, além de gerarem um governo corrupto”, disse o procurador.

E no Brasil? Aqui, Bolsonaro blefa todos os dias, e o ministro Luis Roberto Barroso, presidente do TSE, defende a urna, o processo eleitoral, a apuração.

Depois de admitir que não tem provas de fraudes por falta do voto impresso, o que Bolsonaro vai fazer? Deve continuar dizendo que o problema é a contagem final, que ele considera secreta.

O que vai resultar disso tudo é que, se for para o segundo turno em 2022 e perder, Bolsonaro fará o mesmo que aconteceu em todos os países com desfecho tumultuado de eleições.

Na Bolívia, os golpistas se deram mal. Aqui, golpistas sempre se deram bem.

One thought on “AS NOVAS LIÇÕES DOS BOLIVIANOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 4 =