AS PROVAS ELIMINADAS

A Folha entrega os pontos hoje ao admitir que não há como comprovar a autenticidade dos diálogos vazados da Lava-Jato, no escândalo Moro-Dallagnol denunciado pelo Intercept.
E só não há como comprovar porque Moro, Dallagnol e outros procuradores se desfizeram do aplicativo de mensagens Telegram.
Dallagnol e seus subordinados na força-tarefa admitiram solenemente que se livraram do Telegram em abril.
Ao descartar o uso do aplicativo, o usuário corre o risco de perder todas as mensagens armazenadas. É o que já disse várias vezes o próprio Telegram.
Moro, Dallagnol e os procuradores correram esse risco. Desfizeram-se do Telegram sob o argumento de que estavam sendo hackeados.
A eliminação das mensagens torna impossível cotejar os textos vazados com os arquivos originais. Se fosse numa investigação normal, uma sindicância poderia determinar se houve crime de ocultação ou eliminação de provas.
Mas não estamos tratando de um caso normal. Nada mais é normal no Brasil desde o golpe de agosto de 2016. Nada pode ser normal quando o vazamento de conversas revela que um juiz orientava um procurador, como se o acusador fosse seu subordinado.
Nada mais é normal num Judiciário em que magistrados consideram normal as ordens do juiz que orientava o procurador, porque dizem que todos eles fazem isso na maior normalidade.
Nada pode ser normal num país em que um avião da comitiva presidencial é usado por traficante de cocaína.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 9 =