ACOSTUMEM-SE. BOLSONARO ESTÁ A CAMINHO DO FIM

Os resultados da eleição deste domingo oferecem réguas e balanças para que seja medido e pesado o que vai sobrar de Bolsonaro. Vão sobrar dessa eleição apenas restos do Bolsonaro de 2018, que talvez não resistam até 2022.

Dizem sempre que uma eleição municipal é apenas uma eleição municipal. Que esse é um embate quase inútil para que se vislumbre o que acontecerá na eleição para a presidência da República.

Será também desta vez? Bolsonaro teve uma eleição atípica em 2018, quase como um cacareco, e em dois anos não conseguiu provar que é capaz de governar, de liderar e de agir com um mínimo de sensatez como presidente.

Mas ele poderia pelo menos ter criado base política, mesmo que seja incapaz de transmitir a sensação de poder. Bolsonaro não tem turma. A eleição municipal prova que ele não tem quase nada que o sustente politicamente.

Tudo para Bolsonaro é provisório. Bolsonaro não tem base orgânica. Não conseguiu fazer seus candidatos prosperaram. E foi alijado das disputas na maioria dos Estados, não porque tenha decidido agir com neutralidade, mas porque o afastaram das campanhas. Dos 13 nomes que ele apoiou, apenas dois se elegeram.

Bolsonaro virou um incômodo isolado em Brasília. A eleição prova que o sujeito não conseguiu um lastro político mínimo para continuar almejando não só a reeleição, mas a continuidade no poder com algum respaldo e alguma segurança.

Bolsonaro tem um apoio precário e protocolar de parte dos empresários (que ainda esperam ‘reformas’), não tem partido (a tentativa de criação da sua Aliança é o seu maior fracasso), não terá mais o respaldo de Trump e vê a direita se esmoronar em outros países.

Não há um só país em que a direita extremada tenha lhe oferecido uma vitória desde que ele assumiu. Não citem o Uruguai, porque a direita de Luis Alberto Lacalle Pou não tem e nem quer afinidade com Bolsonaro.

E aqui a eleição provou que o Bolsonaro de 2018 não funciona mais e que um outro Bolsonaro, com outro perfil, é algo improvável.

As figuras medíocres que se elegeram na sua carona foram um fenômeno de dois anos atrás. A mágica da reprodução de extremistas, a maioria sem qualquer base ideológica consistente, não se repetiu.

Em dois anos, Bolsonaro extinguiu-se como referência. Se continuar fingindo que governa, acabará também com o país. A única chance para Bolsonaro é a oferecida pelo centrão.

Ele pode ser absorvido pela direita fofa, por algum tempo, em troca de todas as concessões possíveis, mas somente até o momento em que tiver garantia de sobrevida.

Se a economia desandar ainda mais, ele perder apoio popular e for um fardo para todos os tipos de PFLs, será jogado fora, bem antes da eleição. O centrão da Arena rediviva não pode perder o capital político que obteve na eleição.

Bolsonaro sabe que não pode contar com a fidelidade de ninguém. Sua única cumplicidade menos gasosa é a preservada com os militares, porque seu fracasso pode ser trágico para as Forças Armadas. Parece muito, mas é pouco. Hoje, politicamente, é quase nada.

A eleição municipal provou que Bolsonaro não é líder, não é referência política e não tem turma. Os que tentaram imitá-lo fracassaram. Bolsonaro é um estorvo avulso, uma excrescência da política com prazo de validade quase vencido.

3 thoughts on “ACOSTUMEM-SE. BOLSONARO ESTÁ A CAMINHO DO FIM

  1. Porto Alegre tem muitas dúvidas…
    Abstenções, brancos e nulos são o ¨Prefeito¨ de Porto Alegre.
    Quem souber desvendar e interpretar isso, pode ser o vitorioso de amanhã.

    Melo esta enrascado com uma câmara de vereadores fragmentada, vai ter negociar bem alto apoios.
    Os lobos soltos pelo bolsonarismo estão órfãos e famintos. Muitos ao seu lado.

    Vai ser interessante observar essa gestão.

Deixe uma resposta para Marcelo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 3 =