BOLSONARO FOI A JOINVILLE EM BUSCA DA SUA TURMA

Bolsonaro não foi por acaso a Joinville para uma confraternização com empresários de uma cidade ultraconservadora, com moradores que não escondem seus vínculos com grupos supremacistas.

Bolsonaro foi reforçar publicamente suas conexões com redutos com forte presença de simpatizantes do neonazismo.

É a face que ele tem ressaltado nos gestos mais recentes, desde a aparição ao lado de uma deputada alemã defensora de ideias nazistas.

O extremismo genérico já não basta para Bolsonaro, enquanto ele radicaliza os ataques ao Supremo e ao TSE. É preciso agregar qualidade e explicitar agora sua aproximação com grupos que tenham grife e possam transformar suas relações numa espécie de ameaça.

Bolsonaro se protege não só entre os que podem reforçar suas ideias, mas podem também ser seu lastro na hora de um desatino golpista.

Esse é o aviso: eu estou com os militares, mas estou também com essa turma da deputada alemã e seus similares nacionais, para seguir em frente. E essa turma geralmente é vinculada a grupos armamentistas.

Podem dizer, numa frase que tem sido repetida à exaustão em qualquer controvérsia, que não podemos generalizar e que nem todos os que recepcionaram Bolsonaro são extremistas.

Podem não ser. Claro que Joinville não tem apenas fundamentalistas. Se tivesse, se o nazismo ocupasse todos os espaços, a professora Ana Lúcia Martins não teria sido eleita com 3.126 votos no ano passado.

Ana Lúcia já seria hoje uma exceção como única representante do PT na cidade. É mais do que isso, é a primeira vereadora negra do município. Ficou em sétimo lugar entre 19 eleitos.

Mas, desde antes de assumir, Ana Lúcia foi ameaçada de morte por racistas com recados nas redes sociais, por e-mails ou por mensageiros.

Os racistas estão soltos e impunes, porque ameaçam de morte uma mulher, professora, militante negra, e não uma estátua de Borba Gato.

Por isso Bolsonaro escolheu a cidade certa para receber homenagens. Uma cidade branca, com a hegemonia da direita aliada a grupos supremacistas, todos agarrados à ideia de que são superiores por serem brancos e os verdadeiros “donos” da região.

O branco descendente de colonizadores, que mora em Joinville, arredores ou em qualquer outra cidade ocupada por colonos europeus, considera-se herdeiro dos primeiros exploradores de espaços rurais e suas extensões urbanas.

Indígenas e negros não teriam chegado primeiro nem estariam mais ali quando os colonos vieram da Europa, porque eram invisíveis. É assim também no Rio Grande do Sul.

E muitos dos nazistas de Santa Catarina são descendentes de gaúchos, que replicaram ali outro movimento de ocupação de terras, já no século 20.

A maioria dos gaúchos catarinenses tem como ancestrais os europeus que vieram no século 19 para o Brasil como escórias, do ponto de vista político, econômico e social.

Eram presidiários, agricultores sem terra, gente sem habilidades como artesão e sem condições de ser aproveitada na indústria. A salvação desse excedente era a migração planejada.

O ancestral do racista de Joinville e da maioria das cidades de colonização, e não só os descendentes de alemães, tem o sangue dessa gente refugada pela Europa em transformação.

O racista brasileiro é a aberração que deveria ser confrontada sempre com a história dos seus ancestrais, não necessariamente para que deixasse de ser racista, mas para que enfrentasse ao menos alguma verdade e algum constrangimento.

Essa é também, infelizmente, a imagem de cidades ricas como Joinville. É um estigma sustentado por estudos acadêmicos sérios, e não por intrigas.

Para desfazer essa fama, é preciso bem mais do que brigar contra pretensos desafetos da esquerda e com textos como esse aqui.

É preciso deixar de atrair e dar suporte político a gente com a história, a fama e as ideias de Bolsonaro. É preciso enfrentar os que ameaçam de morte a vereadora Ana Lúcia.

Os moradores de Joinville precisam admitir que a presença de Bolsonaro na cidade é reveladora das escolhas de um sujeito acossado e em desespero. Bolsonaro foi em busca da sua turma.

______________________________________________________________

Abaixo o vídeo em que Bolsonaro, em Joinville, chama Luis Roberto Barroso de filho da puta.


 

14 thoughts on “BOLSONARO FOI A JOINVILLE EM BUSCA DA SUA TURMA

  1. Caro Moisés: sou teu leitor assíduo, pela qualidade de seus textos. Mas neste caso me surpreendi negativamente com alguns de teus comentários. Como o de que os imigrantes alemães que foram para o Brasil eram “A escória” da sociedade, “inaproveitáveis”, etc. numa europa “em transformação”… Como assim? Que tal dizer “em exploração”? exploração extrema de seus contingentes esfaimados e perseguidos. Tenho muma sugestão. se não viu ainda, veja o filme (há também uma serie de TV) “Die andere heimat”, dirigido por edgar reitz, sobre os imigrantes alemães para o brasil. abraços, flavio Aguiar.

    1. Exatamente! Só procurar/pesquisar a história e os livros de migração dos consulados disponíveis na Net, para ver que os emigrantes europeus tinham QUALIFICAÇÕES profissionais que aqui não existiam. Eram construtores e artesãos, etc…. Aliás este é um dos motivos por qUE o império incentivava e emigração. Aqui só tinha mameluco e mulato vivendo do extrativismo. FoRAM eles, os migrantes, que fizeram o Rio grande do Sul ser o que é HOJE. Estude história antes de abrir a boca senhor “Jornalista”.

  2. sua arrogância se assemelha a sua ignorancia no que diz respeito a joinville ou santa catarina. se não sabe a poucos anos tivemos um prefeito do PT aqui. Aliás só fez a prefeitura se endividar. como falar tamanha besteira sem antes estudar um pouco?? o fato do bolsonaro ser bem recebido aqui é porque a maioria não aceita corrupção. e bolsonaro foi o remédio para tal. além disso Santa catarina foi esquecida pelo governo petista durante a gestão. E pra finalizar você vive em uma país fascista já que aonde o bolsonaro vai é bem recebido. sai do país o quanto antes. não irá fazer falta

  3. É de uma ignorância absurda o que esse pseudo escritor escreveu, Joinville é uma cidade acolhedora que mais de 70 % NEM náutico de Santa Catarina é, agora chamar o povo de NEONAZISTA apenas porque não querem votar nos SAFADOS É ladrões que ele Ama, é uma absurdo sem Tamanho, ele foi xenofobico com os joinvilenses, Espero muito que ele venha se retratar

  4. É de uma ignorância absurda o que esse pseudo Jornalista escreveu, Joinville é uma cidade acolhedora que mais de 70 % NEM de Santa Catarina é, agora chamar o povo de NEONAZISTA apenas porque não querem votar nos SAFADOS e ladrões que ele Ama, é uma absurdo sem Tamanho, ele foi xenofobico com os joinvilenses, Espero muito que ele venha se retratar

  5. Joinville, assim como outras cidades de sc recebem muito bem todas as pessoas que vêm de outros estados e países.
    em sc construimos cidades e um estado pujante graças ao “sangue” empreendedor e hospitaleiro que nosso povo tem.
    não atoa estamos entre as melhores cidades pra se viver no país. não atoa somos um dos melhores estados para estar.
    somos ordeiros, pacíficos e trabalhadores. geramos riqueza para o país, emprego e renda para a população.
    99,9% da população brasileira acredita que o trabalho sério e honesto é o caminho para a evolução.
    0,1% é da sua laia que está atrás de um mesa, alienado totalmente e achando-se dono da verdade.

  6. Tanta merda escrita por uma pessoa só…. Jornalismo medíocre E desinformado. Jornalista da sua laia é um desfavor a sociedade brasileira. Sua família no mínimo deve se envergonhar de anta ignorância de intelecto.

  7. Tem que ser muito mau caráter pra fazer um comentário desse. Isso é crime, jornalista de merda, chamar uma cidade de nazista, chamar toda uma população da 3ª maior cidade do sul do Brasil de nazista por puro egocentrismo e ignorância é o cúmulo do desrespeito. espero que pague pelas suas palavras, joinville não é meia dúzia de gado na rua, e nem um jantar com empresário, joinville é muito maior do que você e do que o presidente. pague pelas suas palavras!

  8. VOCÊ insinua, em mais de uma ocasião, que os joinvillenses são condescendentes e tolerantes com CRIMES de promoção de racismo e incitação ao nazismo previstos na legislação brasileira, as quais: Lei 7.716/89, Lei 9.459/97 bem como dos Art. 3º Inciso IV e Art. 5º Inciso XLII da Constituição Federa, ISTO É UM COMPLETO ABSURDO!
    reafirmaMOS o orgulho dos joinvilenses, tanto nascidos aqui como aqueles que adotaram Joinville como sua terra natal, da nossa origem e das nossas raízes, que muito diferente do que VOCÊ afirma, não eram “escórias” ou “gente refugada” vindas da Europa. Eram homens e mulheres de fibra, trabalhadores que, como o próprio Hino da Cidade de Joinville menciona: “Um dia o audaz pioneiro / Plantou do trabalho a bandeira / E se deu, corpo e alma / Ao torrão brasileiro. / Depois foram lutas e penas, / Mas nunca o herói fraquejou, /Com sangue, suor e com lágrimas / Do seu próprio corpo teu solo irrigou.” Tornando a cidade de Joinville, a maior de Santa Catarina e uma das melhores cidades do Brasil.
    Afirmamos, de forma a representar, tanto os joinvilenses quanto os demais cidadãos catarinenses, o nosso total repúdio a quaisquer tipo de discriminação, ou incitação/apoio à regimes totalitários, como no caso do nazismo, fascismo ou aqueles não citados, mas defendidos pelos partidos QUE VOCÊ tem orgulho de apoiar, como o regime comunista que deixou um rastro de morte e destruição por todos os países onde foi implantado.
    O fato lamentável que aconteceu com a Vereadora Ana Lúcia não é justificativa para difamar a população joinvillense, visto que bandidos têm em todos os lugares do mundo.
    O que nós joinvilenses buscamos é um país livre, forte, cujas liberdades individuais sejam respeitadas e que possuam líderes que prezem pelo bem da nação e não que se preocupem apenas em “encher os próprios bolsos” como, por muito tempo aconteceu nos governos petistas. Queremos um presidente, temente à Deus, que priorize a nossa nação e que, acima de tudo, lute por valores, como a vida, a família e a liberdade, tão primordiais para cada um de nós.
    Artigos como esse não agregar em nada ao jornalismo.

  9. Quer dizer quem pensa diferente de você é nazista fascista e tudo mais?o de está o direito de pensar diferente “democrático” defendido pela esquerda? então o país inteiro é nazista?pois por onde o presidente passa arrasta multidões.Nossa cidade é uma cidade de um povo trabalhador , empreendedor que tem oportunidades para todos que queiram trabalhar ,estudar e buscar melhor qualidade de vida prova disso são os imigrantes haitianos,venezuelanos que vem em busca de uma vida melhor que em seus países arrasados pelo regime defendido por vossa senhoria.temis pessoas de várias etnias e raças buscando empreender e buscar seu espaço mas pessoas como o sr.nao é bem vindo não pois pseudo jornalista que não tem compromisso com a verdade também não deve ter um bom caráter!

  10. Cada um com a sua opinião.. Mas chamar uma cidade que esta entre as mais ricas, entre as primeiras em geração de emprego, entre as acolhedoras, com um povo que Vive do futuro de Simpatizantes do Neonazismo é um tanto contraditório visto que se vc tivesse 1% da capacidade de trabalho do povo dessa cidade nem viveria de “blog” kkkkkkkkkkkkkkkkkkk vai manjar as rolas no Banheirão filho que tua cara não nega kkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 6 =