COLABORACIONISTAS

Diplomatas estão sendo submetidos à humilhação que o bolsonarismo impõe há muito tempo a servidores de todas as áreas do governo, principalmente da educação e do meio ambiente.

É constrangedor para o Itamaraty que funcionários de carreira aceitem treinar Eduardo Bolsonaro para a sabatina no Senado. O jornalista Guilherme Amado conta que o filho do homem passa por aulas intensivas de decorebas, para saber mais sobre o Brasil e as relações ditas internacionais.

É mais do que um mico, é um vexame. Diplomatas devem compartilhar conhecimentos e informações. Mas treinar um sujeito sem qualificação para que enfrente uma prova no Senado?

Os diplomatas estão preparando o filho de Bolsonaro como quem prepara um calouro para o programa do Sílvio Santos?

Servidores do próprio Itamaraty devem ser os primeiros a reagir. Se ficarem calados, como têm ficado muitos funcionários de outras áreas, estarão sendo coniventes com a subserviência a uma farsa.

O bolsonarismo conseguiu cooptar servidores da educação e do meio ambiente para levar a diante a perseguição e a destruição da estrutura de ensino, aprovar agrotóxicos no atacado e consagrar a omissão como prática diante dos crimes contra florestas, rios e índios.

Sem essa de que trabalham sob pressão. Sob pressão mesmo estão os fiscais do Ibama abandonados por Bolsonaro na Amazônia. Servidores da estrutura de Brasília têm a obrigação de reagir, como muitos bravos têm feito.

Faltava a diplomacia ser prestativa e conivente com a família que tomou o poder. Diplomatas que treinam o fritador de hambúrguer serão cobrados pelo que fizeram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 3 =