ESQUEÇAM OS TERRAPLANISTAS

Luiz Henrique Mandetta só não cai agora porque os desatinos de Bolsonaro podem ter algum limite imposto pelos militares.

A sequência de informações dos últimos dias indica que o ministro da Saúde está sob pressão dos novos fundamentalistas do governo, com a ascensão de um personagem até então nas sombras.

O coronavírus, que agora contagiou Augusto Heleno, também tira politicamente de cena Weintraub, Sergio Moro, Araujo, Damares. Todos, mesmo não estando contaminados, desaparecem e passam a ser coadjuvantes.

Esqueçam justiceiros, analfabetos e terraplanistas. As cortinas se abrem para Antonio Barras Torres, o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que até agora era apenas figurante no teatro do bolsonarismo.
Torres é médico e contra-almirante. É o orientador das ações de Bolsonaro que desafiam a pandemia.

O presidente da Anvisa apareceu ao lado de Bolsonaro no encontro com os manifestantes, no domingo em Brasília, e não estava ali por acaso.

Torres fez questão de estar ao lado do homem que conspira contra o esforço de Mandetta para que a pandemia não provoque no Brasil a tragédia que arrasa com a Itália.

É Torres quem subestima o que vem aí e faz reuniões com Bolsonaro em que somente os dois decidem o que o chefe deve dizer.
Foi Torres, apresentado como ultraconservador, quem liderou dentro do governo a guerra contra a legalização do plantio e do uso da maconha para fins medicinais. Osmar Terra era apenas seu porta-voz.

É ele quem dissemina agora a ideia de que o coronavírus não tem o poder destruidor já comprovado pelo mundo todo.

As frases ditas por Bolsonaro nas aparições em que desqualifica o trabalho do próprio governo são reproduções do pensamento do presidente da Anvisa, que é rejeitado pelos funcionários da agência.

Hoje, a Folha avança um pouco mais nas informações sobre o cenário de crise criado em torno de Mandetta – por causa do confronto de posições com Bolsonaro – e sugere que o contra-almirante quer o lugar do ministro da Saúde.

Mandetta, que também é médico, reafirma que é preciso parar o país. Bolsonaro diz o contrário porque conseguiu alguém que avalize ‘cientificamente’ seu desvario. Torres patrocina a tentativa de protagonismo de Bolsonaro, que foi ofuscado pelo brilho de Mandetta.

As aparições de Mandetta nos próximos dias irão mostrar um homem cada vez mais tensionado. Os terraplanistas de Olavo de Carvalho são inofensivos ao lado das figuras sinistras fortalecidas pela pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


8 + 6 =