ESTÁTUAS TAMBÉM CAEM

É surpreendente a demissão de Renato, porque parece que demitiram não o dono do time, mas o dono do clube.

Dizem que nem Fabio Koff desafiava o poder de Renato, que sempre foi visto como uma estátua viva e muitas vezes incômoda e arrogante.

O Grêmio poderá renovar corpo e alma. Renato havia arrastado a imagem do clube para o que existe de mais execrável na política e nas relações humanas hoje no Brasil.

Renato politizou o Grêmio com suas manifestações de extrema direita. Quem não era bolsonarista, disse ele, era contra o Brasil, talvez pensando em influenciar o genocida e seus homens na CBF e chegar à Seleção.

Renato reproduzia as falas simplórias dos bolsonaristas, ficava sem máscara à beira do campo e se repetia nas entrevistas em que tentava imitar Romário.

O Grêmio precisa fazer uma limpeza do que pode ter restado da índole bolsonarista de Renato em seus quadros e na cabeça dos
que conviviam mais diretamente com ele.

As redes sociais não podem continuar associando o clube à militância bolsonarista, só porque Renato era fã ardoroso do fã de torturadores.

O Grêmio precisa admitir que deve ser um clube estimulador e acolhedor de diversidades, não só dentro do campo, depois de procurar entender por que tem uma torcida tão branca.

O Grêmio não pode ficar marcado, pela identificação com Renato, como o clube da elite reacionária gaúcha.

Sabemos muito bem os estragos que esse tipo de tatuagem provoca em marcas, pessoas e instituições. Salvem o Grêmio.

________________________________________________________________

O HUMOR JORNALÍSTICO DE THE CAVERÁ TIMES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


6 + 4 =