MAIS UMA OBRA DA GRIFE BRAGA NETTO

Se os mesmos homens que organizaram o desfile com sucatas de tanques serão também os organizadores do golpe de Bolsonaro, já se sabe que dificilmente haverá golpe. 

Podem até tentar um golpe e anunciá-lo formalmente como golpe. Mas a turma envolvida na desorganização do desfile não tem condições de aplicar e de segurar um golpe.

Se Bolsonaro fosse submetido a alguma racionalidade, mesmo como golpista, os organizadores do desfile deveriam ser chamados e dispensados. O pior inimigo de Bolsonaro não conseguiria fazer o que foi feito nesta terça-feira em Brasília.

Ninguém esperava um desfile como os que Kim Jong-uno organiza na Coreia do Norte, como se soldados e armas de guerra fossem robôs. Muito menos um espetáculo com a exibição de harmonia, poder e beleza como os promovidos historicamente por russos e chineses.

Mas não precisava ser algo tão degradante. Faltou aos militares a preocupação com um item que os fardados valorizam. Faltou respeito às liturgias do mundo militar. Uma simples fila de tanques não faz um desfile.

Faltaram organização e disciplina e sobrou fumaça. Os militares deram uma demonstração não de improviso, mas de desorganização. Se um desfile é realizado com tanto desleixo, como seria um golpe?

O evento desta terça passa um desprezo dos generais pela própria ideia do golpe. Ficou claro que não houve empenho com o teatro armado por Bolsonaro. Entregaram ao sujeito o que eles devem achar que ele merece.

Mas como ficam as Forças Armadas depois do show diante do Palácio do Planalto? Ficam como estão desde a posse do seu comandante supremo. O desfile ampliou a sensação de que Bolsonaro sustenta o blefe em bases cada vez mais precárias.

O ministro da Defesa, diretor do desfile, ofereceu mais um produto ruim ao seu líder. Braga Netto, o interventor do Rio, o famoso autor do Programa Pró-Brasil, um plano colegial de investimentos estatais, apresentado em abril de 2020 e que nunca saiu do PowerPoint, fracassou de novo.

Foi Braga Netto quem se sentou à mesa, no pico da pandemia, nas entrevistas coletivas, cercado por gente da saúde pública, como o escalado por Bolsonaro para dizer que ali havia um comando forte. Ele seria o interventor-articulador das falas e das ações do governo. Foi um horror, e o general sumiu.

Braga Netto é desde o final de março o escolhido por Bolsonaro para a tarefa de promover a adesão incondicional dos militares ao governo, refugada pelo general Fernando Azevedo e Silva. O desfile de ontem poderia ser sua grande obra alegórica. Foi patético.

Bolsonaro e seus militares desmoralizaram os preparativos para o golpe. Há entre os analistas, os políticos, os empresários e entre o povo o sentimento de que, mesmo sem condições objetivas de levar um golpe adiante, Bolsonaro não irá desistir.

O aprofundamento da sua fragilização e de seu desespero é o que acelera o desatino. Bolsonaro vai sendo retroalimentado por seus fracassos. Na sequência de seus atos, hoje ou amanhã ele pode dizer que o golpe será levado adiante.

E aí alguém terá de coordenar as ações que levarão ao golpe, para amordaçar Congresso, Supremo e imprensa e estabelecer os protocolos de um regime de exceção.

Mas se Bolsonaro não tem um grupo capaz de articular um desfile, teria quadros civis e militares em condições de dar forma e sentido a um golpe? Braga Netto deve saber ou achar que sabe.

2 thoughts on “MAIS UMA OBRA DA GRIFE BRAGA NETTO

  1. É evidente que Bolsonaro vai até o fim com esta história. Um homem sábio saberia quando parar, mas sábio é tudo que Bolsonaro não é. Ou ele é morto por um amigo ou inimigo (50% de chance de cada lado) e vira “mártir”, ou ele é preso e vira “martir”, ou ele consegue finalmente dar um golpe e oficializa a ditadura no Brasil e teremos fotos dele espalhadas em igrejas, fábricas, bancos, farmácias, casas, estações de ônibus, etc. e vira “herói”. ou ele tenta dar o golpe e vai preso (mártir) ou ele perde a reeleição e tumultua tudo e vira “palhaço”. Só que “palhaço” ele já é para o mundo e a grande maioria dos brasileiros, este posto (ou patente, como os militares gostam) ele já tem. Ele quer ser promovido a alguma outra coisa, e por isto vai até o fim. Um homem sábio saberia quando parar, quando avançar e quando retroceder.

  2. Considerando que o ser abjeto será derrotado pelo voto eletrônico em 2022, resta saber como o futuro governo lidará com O atual oficialato brasileiro, sem esquecer daqueles que já vestem pijamas, e com o processo de formação militar. É assunto que ainda não foi resolvido desde a redemocratização.

Deixe uma resposta para André Cipoli Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


3 + 5 =