MANDETTA OFERECEU A SOLUÇÃO A BOLSONARO

O principal recado de Luiz Henrique Mandetta na entrevista ao Fantástico é um dilema cuja solução, numa situação normal, não dependeria do ministro, mas do presidente da República. E a ‘solução’ pode sair daqui a pouco.

O dilema não é a dúvida das pessoas sobre quem diz o certo e o errado, exposta por Mandetta. Não é sobre a repetida controvérsia sobre a fala do ministro pedindo isolamento e a do presidente pedindo que todo mundo seja liberado para fazer o que quiser.

O dilema é outro. Se Mandetta diz que os discursos precisam ser afinados, para que a população tenha a clareza de que há um plano e um rumo contra a pandemia, sem divergências, é claro que a afinação não será determinada por ele.

Aqui começa o dilema. Não será Mandetta quem irá dizer a Bolsonaro que ele deve se alinhar aos seus apelos pelo isolamento e para que o comércio, as igrejas e todas atividades não essenciais devem continuar fechadas.

Quem deve determinar a unificação do discurso, por imposição hierárquica, é o presidente da República. Mandetta é subalterno de Bolsonaro. E os dois pensam tudo ao contrário.

O que o ministro disse no Fantástico, ao sugerir que as pessoas acreditem no que ele aconselha como médico, é uma insubordinação.

Ninguém imagina que, para unificar discurso, como deseja o ministro, Bolsonaro vá reavaliar posições conflitantes com as defendidas por Mandetta.

Por isso, hoje Bolsonaro pode, se achar que a entrevista de Mandetta tem sentido, passar a determinar que um só discurso seja transmitido à população.

O discurso é o conhecido: que se libere o comércio, que as pessoas circulem à vontade, que as igrejas abram as portas para disputar os R$ 600 da ajuda de emergência e que todos os infectados passem a tomar cloroquina.

Se Bolsonaro diz que o surto está indo embora e se Mandetta assegura que o pior acontecerá entre maio e junho, alguém está errado. É evidente que Bolsonaro não sabe nada do que fala.

Mas Bolsonaro é o chefe, ele é quem manda, ou talvez se descubra que não manda mais nada. Mandetta ofereceu a solução ao chefe e quase pediu para sair.

Nesta segunda-feira ficaremos sabendo se ele ainda soluciona alguma coisa. Bolsonaro sabe que não pode demorar muito.

____________________________________________________________________

TERRA ERRA TODAS
O que Osmar Terra vai dizer para tentar explicar os erros com as previsões sobre infectados e mortos na pandemia?

Deve dizer que os números são maiores do que deveriam ser por causa do isolamento. Se todos estivessem andando por aí, como Bolsonaro faz, estaria tudo bem.

A tese dele é de que há muitas mortes na Itália porque as pessoas ficaram em casa, quando todos sabem que essa é uma fake news, que os italianos subestimaram o surto e por isso morreram tantos.

____________________________________________________________________

BOM RETORNO, MINISTRO
O ministro Celso de Mello deve retornar hoje ao Supremo, mesmo que virtualmente, depois do afastamento para tratamento de saúde.

Sai da gaveta, em meio à pandemia, o processo da suspeição de Sergio Moro.

O voto de Celso de Mello na Segunda Turma do STF é decisivo. Não há escapatória para Sergio Moro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 4 =