MORIN E AS IGNORÂNCIAS

Publico abaixo pequeno trecho da entrevista de Edgar Morin à Úrsula Passos, na Folha, que li no perfil da minha amiga Branca Moellwald aqui no Facebook.
Deveria ser lida por boa parte da esquerda no poder, que subestimou a capacidade de disseminação de desinformação pela direita e desistiu de articular um projeto alternativo de comunicação para produzir conteúdo jornalístico mesmo, e não só palpites.
Parcela dessa esquerda resignada ainda acha até hoje que poderá combater a desinformação, as fake news e as ignorâncias com uma tática de guerrilha contra o Carluxo no WhatsApp e no Twitter. É assustador, mas é sério.
Eis o que disse Morin:
“As fake news não têm nada de novo, sempre houve notícias falsas. Durante uma dezena de anos a União Soviética dava informações falsas sobre o que acontecia com ela, a China de Mao Tse-tung também, o sistema hitlerista escondeu os campos de concentração. As mentiras políticas e as notícias falsas não são novas, são banais, o novo é a internet, a difusão de notícias que podem vir de qualquer lugar.
O problema é que, se quisermos informar o mundo, precisamos de pluralidade de fontes de informação e pluralidade de opiniões. Precisamos de uma imprensa diversa, com opiniões diversas, para que possamos fazer escolhas. Quando a imprensa perde sua diversidade, quando ela é controlada pela força do dinheiro, há uma diminuição do conhecimento e da informação”.
“As fake news não têm nada de novo, sempre houve notícias falsas. Durante uma dezena de anos a União Soviética dava informações falsas sobre o que acontecia com ela, a China de Mao Tse-tung também, o sistema hitlerista escondeu os campos de concentração. As mentiras políticas e as notícias falsas não são novas, são banais, o novo é a internet, a difusão de notícias que podem vir de qualquer lugar.
O problema é que, se quisermos informar o mundo, precisamos de pluralidade de fontes de informação e pluralidade de opiniões. Precisamos de uma imprensa diversa, com opiniões diversas, para que possamos fazer escolhas. Quando a imprensa perde sua diversidade, quando ela é controlada pela força do dinheiro, há uma diminuição do conhecimento e da informação”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 3 =