OS SERVIDORES PRECISAM REAGIR AOS CRIMES DOS BOLSONAROS

A resposta política ao aparelhamento da Abin pelos Bolsonaros é previsível e óbvia, com especulações sobre a abertura de sindicâncias e até sobre a possibilidade de impeachment do sujeito.

Mas essa não pode ser a única nem a principal reação, até porque o impeachment é a mais gasta de todas as hipóteses levantadas desde a posse do pai do chefe da quadrilha das rachadinhas.

A mais decidida resposta aos arapongas deve partir de dentro das instituições, dos servidores, dos quadros do Estado ofendidos pela ação da família e de seus prepostos.

Os servidores dos órgãos envolvidos têm de dar repostas fortes, mas não só em notinhas, sobre o uso da arapongagem para fornecer dados que facilitem a vida de Flávio Bolsonaro como criminoso.

São duas as questões mais urgentes, mais até do que a interferência do Ministério Público e das instituições interessadas em investigar os crimes denunciados pela revista Época.

Essa é a primeira questão. O uso da Abin só foi possível com a colaboração de gente de dentro de órgão, e não só de comandos. Quem colaborou?

Quem fez o serviço para os advogados de Bolsonaro dentro da Abin? Quem permitiu o acesso a informações que acabam denunciando, com nomes, os funcionários da Receita visados pela Abin?

A segunda questão é esta. A Abin usa o argumento de que buscou informações capazes de ajudar na anulação de inquéritos e processos, a partir da suspeita de que há violação de informações na Receita.

Interessa aos quadros da própria Receita saber qual o fundamento da acusação, que desqualifica servidores para beneficiar o chefe da quadrilha.

Não basta emitir notas, em nome dos quadros da Abin e da Receita, para dizer que condenam práticas em desacordo com os compromissos republicanos dos dois órgãos.

Os servidores devem começar a reagir com mais efetividade ao aparelhamento do Estado. Eles estão dentro da baleia e precisam, por obrigação, contar o que sabem e tomar providências para muito além dos manifestos com frases de indignação.

Bolsonaro aparelha as instituições desde que assumiu, e a reação tem sido mínima. Casos de exceção são poucos, e os mais frequentes partem do Ibama, onde fiscais denunciam o desmantelamento da estrutura de fiscalização na Amazônia e as concessões aos bandidos da floresta.

Na educação, na saúde, na Polícia Federal (Sergio Moro deve saber mais do que falou até agora), na cultura, no Itamaraty, no meio ambiente, em todos os setores aparelhados pela família Bolsonaro há servidores usados ou desrespeitados.

Todos os que convivem com os operadores das tarefas determinadas pelos chefes a serviço de Bolsonaro sabem quem faz o quê e quem é vilipendiado por essas ações.

Por isso a resposta à ação da Abin para proteger os Bolsonaros somente será consequente se for liderada pelos servidores, sem o receio de acabar expondo os colaboracionistas.

Vale para os quadros da Abin e para todas as áreas onde a maioria dos servidores (é o que se espera) não concorda com o trabalho sujo de quem protege grileiros, incendiários e desmatadores da Amazônia, perseguidores de professores, jagunços e chefe de quadrilha de milicianos.

4 thoughts on “OS SERVIDORES PRECISAM REAGIR AOS CRIMES DOS BOLSONAROS

  1. E QUEM DEFENDERÁ @S SERVIDORE(A)S CONTRA PROCESSOS ADMINISTRATIVOS QUE CERTAMENTE SERÃO ABERTOS COM AS MAIS DIVERSAS ACUSAÇÕES? OS SINDICATOS? OS PARTIDOS DE OPOSIÇÃO? A SOCIEDADE ADORMECIDA? A OAB? É preciso considerar que O APARELHAMENTO DAS INSTITUIÇÕES PELOS GOVERNOS DE PLANTÃO INTIMIDA @S SERVIDORE(A)S [email protected] COM A ÉTICA EM SUA ATIVIDADE PROFISSIONAL, CABEndo, de fato, à imprensa e AOS PARTIDOS DE OPOSIÇÃO PROVOCArem os órgãos de INVESTIGAÇÃO no que tange à apuração dos fatos.

  2. Uma grande questão é de que esta organização criminosa que se instalou na governança do Brasil deve ter o rabo preso de muita gente importante, como o próprio Sérgio Moro deve ter um arquivo com nomes, dos diversos Poderes. Veja que a poderosa Rede Globo ainda não conseguiu resolver a questão judicial sobre Flávio Bolsonaro (deve ter muito material, mas está impedida de vinculá-lo e isso que tem advogados renomados. O que tem por de trás disso?). Ou seja: quem terá a coragem de enfrentar esta milícia?

  3. Será que esse silêncio imposto à globo pelo judiciário NÃO é CONVENIENTE para a própria GLOBO? O quanto essa aparente guerra contra Bolsonaro não esta aí para encobrir os interesses da globo e seus poderosos ANUNCIANTEs, DEFENDIDOS pela ala econômica do governo, que age com notória INDEPENDÊNCIA?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


1 + 4 =