O CABÔCO MAMADÔ E O CABÔCO ASSEDIADÔ

Esse Caboclo da CBF seria um dos mortos-vivos do cemitério do Cabôco Mamadô do Henfil. Esse Rogério Caboclo bolsonarista e bagaceiro estaria em área nobre no cemitério do Cabôco que enterrou muita gente ruim (e até muita gente boa) nos anos 70.

Até nisso regredimos. Já tivemos o Cabôco Mamadô do Henfil e agora temos o Cabôco Assediadô da CBF. O Cabôco do Henfil foi o personagem mais cruel criado no Pasquim pelo gênio irmão do Betinho.

O Cabôco enterrava vivos os cúmplices da ditadura ou que se aproximavam dos milicos para fazer média ou ceder a algum tipo de pressão. Henfil enterrou muita gente que talvez não devesse ser morta-viva. Mas acertou quase sempre como coveiro.

Hoje, o Cabôco Mamadô teria no cemitério de mortos-vivos esse Cabôco da CBF ao lado dos túmulos de Renato Portaluppi, Regina Duarte, Felipe Mello, Alexandre Garcia, Amado Batista.

O cemitério do Cabôco Mamadô hoje estaria lotado de jogadores, dirigentes e técnicos de futebol. Poucas áreas têm tantos mortos-vivos cúmplices do fascismo bolsonarista quanto o futebol.

O cemitério do Cabôco Mamadô estaria abarrotado de cantores sertanejos e de todo tipo de sofrência.

Sílvio Santos, que tinha vaga no cemitério dos anos 70 do século 20, estaria de novo no cemitério do século 21. Sílvio Santos é o mais persistente dos mortos-vivos da direita brasileira.

Saudade do Cabôco Mamadô, que não temia patrulhas. Simonal, Flávio Cavalcanti, Carlos Lacerda, Adolfo Bloch, David Nasser, Gustavo Gorção, Nelson Rodrigues e, acredite, até Elis Regina (que depois foi retirada do cemitério do Cabôco) foram considerados mortos-vivos.

Não foram poucos os que Henfil entregou ao Cabôco e que acabaram depois sendo desenterrados. Roberto Carlos foi um dos ressuscitados.

Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Nazário e Neymar teriam mausoléus no cemitério do Cabôco. Nana Caymmi estaria cantando na entrada do cemitério.

Quantos parentes, conhecidos, amigos e colegas nossos estariam nesse cemitério. O Cabôco teria muito trabalho enterrando e desenterrando bolsonaristas arrependidos. Que falta faz um Cabôco Mamadô.

One thought on “O CABÔCO MAMADÔ E O CABÔCO ASSEDIADÔ

  1. Texto MARAVILHOSO, como sempre! Obrigada por me apresentar ao cabôco mamadô. Apesar de gostar Da obra de Henfil e de TER lido ALGUNS números do PASQUIM, não conhecia este personagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 8 =