O DESAMPARO DO BOLSONARISTA SEM PODER, SEM CHÃO E SEM FUTURO

Os brasileiros não querem saber de armas nem de ditadura. Sempre quiseram a vacina contra a Covid. Para 69% deles, há corrupção no governo Bolsonaro.

A grande maioria não confia nunca no que Bolsonaro diz e 55% não votariam de jeito nenhum no sujeito. Mulheres, nordestinos, negros e pobres desprezam Bolsonaro.

Mas Bolsonaro está no poder. É uma excrescência política e humana, mas foi eleito. A maioria não concorda com o que o sujeito é e representa, mas ele governa o país.

Esse Bolsonaro teve a chance de caminhar para o centro, depois de eleito, alargando alcances, mas caminhou ainda mais para a sua faixa fundamentalista.

Quase dois terços dos brasileiros sabem o que ele significa como monstruosidade. E o outro terço também percebe o que ele é, mas aceita ou tolera ou compreende que seja assim.

Estão confusos os que, sob o ponto de vista eleitoral, não sendo Lula nem Bolsonaro, também não têm muita certeza do que possam ser, diante da evaporação de Sergio Moro e da fragilidade de Ciro Gomes e Simone Tebet.

Todos esses dados e muitos outros – que podem ser agregados ao respaldo ou à rejeição ao que Bolsonaro é, faz e pensa – terão significados diversos depois da eleição.

É o que os institutos e cientistas terão de procurar desvendar e interpretar. Qual é o sentimento em relação a Bolsonaro e ao bolsonarismo sem o componente da questão eleitoral?

De que forma os que ainda se agarram a ele, como possiblidade de projeto duradouro da direita, continuarão ligados ao projeto Bolsonaro como referência de conduta e como proteção?

Não é uma questão qualquer. Passada a eleição e com Bolsonaro derrotado, o bolsonarismo será algo abatido e disforme, mas ainda com ingerências no cotidiano de todos nós.

Os bolsonaristas se sentirão sem poder, sem estrutura de imposição do medo e sem a autoestima das bandeiras nas janelas e sacadas. Mas estarão por aí.

Quem se agarrou a Bolsonaro por antipetismo, por medo de ver mais pobres e negros com diploma, ou por questões ditas morais, por fundamentalismos religiosos, ou por tudo isso misturado estará desamparado depois de outubro.

O brasileiro armamentista, militarista, negacionista, racista, machista e homófobo pode não ser homogêneo, mas é muito disso tudo numa só pessoa.

Ele vê gays e diferentes como ameaças à família, enxerga índios como estorvos e defende desenvolvimento a qualquer custo, com a ajuda de grileiros e garimpeiros.

A maioria que pensa o contrário terá de enfrentar a barra de conviver com gente que os examinadores do comportamento humano não conseguiram enquadrar com alguma precisão.

O bolsonarista pós-bolsonarismo será um ente coletivo com imagem ainda mais borrada em busca de algum sentido para o que sobrou das suas certezas, inclusive a que faz com que negue vacinas aos próprios filhos.

Famílias, colegas de trabalho, vizinhos, amigos terão de conviver com essa figura minoritária, que não terá o mesmo ímpeto dos bons tempos do bolsonarismo, porque estará derrotada e sem chão.

Mas ela estará, inquieta e perturbadora, diante de todos nós.

​​​​​​​Muitos bolsonaristas desamparados pedirão ajuda, quando o mundo que imaginavam existir finalmente desabar, com suas armas, seus militares, pastores e milicianos. E tudo o que era certo, forte e lindo perderá sentido.

3 thoughts on “O DESAMPARO DO BOLSONARISTA SEM PODER, SEM CHÃO E SEM FUTURO

  1. O Bolsonarista raíz da classe média alta terá que ficar quietinho, com o rabo entre as pernas.
    Ou deixar o país, como muitos nazistas fizeram no pós guerra da Alemanha…
    Irão p/Hungria talvez???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


4 + 1 =