O FALSO MISTÉRIO DOS RELATÓRIOS QUE MORO SONEGOU A BOLSONARO

Começam hoje os depoimentos que podem esclarecer ou confundir ainda mais as acusações de Sergio Moro contra Bolsonaro.

Hoje, a Polícia Federal ouve o delegado Alexandre Ramagem, o amigo da família cuja nomeação para o comando da PF foi vetada pelo ministro Alexandre de Moraes. Mais cinco delegados serão ouvidos essa semana.

Amanhã será a vez dos depoimentos dos ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

Os ministros são testemunhas e serão provocados a falar principalmente sobre a reunião do dia 22, do conselho de ministros, quando Bolsonaro teria pressionado Moro a trocar a chefia da PF, e sobre os encontros que Moro diz que teve com os três “em seguida”, depois dessa reunião.

Os três não poderão dizer que não sabem nada da reunião do dia 22, porque o vídeo com a gravação do encontro de Bolsonaro com os ministros já foi liberado para o inquérito por determinação do Supremo. Deve estar tudo lá, se não foi editado.

Mas o que os ministros terão a contar das reuniões posteriores que tiveram com Sergio Moro, depois da ameaça de Bolsonaro?

Há um detalhe que talvez ninguém esclareça e é decisivo para a compreensão das pressões de Bolsonaro. É o que se relaciona com os tais relatórios da PF que Bolsonaro pedia a Moro e não recebia.

Bolsonaro deu a entender que tratava a PF, que é uma polícia a serviço da Justiça, e não a serviço do governo, como se fosse uma extensão da Agência Brasileira de Inteligência, a ABIN.

No depoimento que deu à Polícia Federal, Moro disse que Bolsonaro cobrou esses relatórios na reunião do dia 22.

No depoimento, Moro fala da reunião e diz que Bolsonaro demonstrou insatisfação quanto ao que “denomina relatórios de inteligência” da PF, aos quais ele afirma que não teria acesso.

Moro diz no depoimento que isso não é verdadeiro e que “podem ser requisitados à ABIN os protocolos de encaminhamento dos relatórios de inteligência produzidos com base em informações a ela repassadas pela PF e que demonstrariam que o Presidente da República já tinha, portanto, acesso às informações de inteligência da PF as quais legalmente tinha direito”.

Até aqui tudo bem. Moro diz que Bolsonaro tinha acesso ao que tinha direito, mas não esclarece a que Bolsonaro queria ter acesso e não tinha direito.

O ex-juiz sabe o que Bolsonaro cobrava dele, mas não revela. E esse é o ponto que nem os ministros militares e tampouco os delegados irão esclarecer.

Só há um jeito de esclarecer que relatórios Bolsonaro queria da PF. E o jeito é Moro abrir o jogo e contar tudo. Mas Moro salta fora.

No depoimento, está escrito: “Que perguntado se o presidente da República, em algum momento lhe solicitou relatórios de inteligência que subsidiavam investigações policiais, o Declarante (Sergio Moro) respondeu que o Presidente nunca lhe pediu até porque o Declarante ou o Diretor Valeixo jamais violariam sigilo de investigação policial”.

A resposta tem um comentário adicional que elimina a possibilidade de sabermos o que Bolsonaro queria. Além de dizer que Bolsonaro nunca pediu nada relacionado com investigações policiais, Moro esclarece que jamais cometeria o delito de quebrar sigilo policial. É uma tentativa de não se incriminar.

É óbvio que Bolsonaro não queria só relatos de inteligência, queria informações sobre as investigações da PF em inquéritos que envolvem os filhos dele. Isso está claro desde o começo. Mas Moro não vai admitir que essa era a cobrança, ou será enquadrado por omissão.

Então, o que teremos nos depoimentos deve ser a negação de tudo o que Moro diz ou quer dizer, mas não diz porque não pode dizer. O que vai acontecer? Tudo será engavetado pelo procurador-geral Augusto Aras e o ex-juiz ficará como fofoqueiro sem provas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


9 + 1 =