O MASSACRE DE AÉCIO E LEITE CONTRA DORIA É INÉDITO PÓS-DITADURA

João Doria é um caso a ser melhor estudado como fracasso e rejeição. Mas há consenso em torno de pelo menos um componente do processo de destruição da sua imagem.

Doria foi massacrado pelo movimento pró-golpe em que Aécio Neves esteve a serviço de Eduardo Leite.

Doria venceu as prévias do partido para ser candidato a presidente em 27 de novembro do ano passado. São seis meses desde a sua vitória contra Leite, até a decisão de desistir, nesta segunda-feira.

Nesses seis meses, quando deveria ter o partido em torno do seu nome, como vitorioso de uma disputa difícil, viu as articulações contra ele serem maiores do que a mobilização em defesa da sua candidatura.

Aécio e Leite não deixaram Doria em paz desde o dia 27 de novembro, enquanto crescia nas pesquisas o índice de rejeição ao seu nome. O governador da vacina, o pioneiro da ideia de oferecer imunização a todos, o cara que enfrentou Bolsonaro não emplacou como opção da direita.

Se não fosse a artilharia disparada por Aécio e Leite, com o apoio de caciques tucanos, é provável que Doria estivesse acima dos 3% da preferência do eleitorado, um vexame para um ex-governador do mais poderoso Estado do país.

Mas Doria não teve quem o defendesse das matilhas golpistas. E passou esses seis meses tentando afastar os que pretendiam se apoderar da candidatura que ele conquistara numa disputa feita no voto.

Aécio e Leite podem ter sido os maiores culpados pela implosão de Doria e, quem sabe, até do que restava do PSDB. O mineiro e o gaúcho são hoje os melhores representantes da política do vale-tudo contra os próprios parceiros de partido.

Foi o movimento de destruição de Doria que levou o partido a anunciar que ele não teria nem verba para fazer campanha, porque os recursos seriam destinados em maioria à candidatura de consenso da terceira via.

Mesmo que Leite não consiga ser, como ainda pretende, o candidato tucano em substituição a Doria, o golpe funcionou. O grande objetivo era destruir Doria. Foi o que aconteceu.

Leite, um bolsonarista juramentado em 2018, tanto quanto Doria, fez o que muitos consideravam inimaginável. O massacre imposto por ele e por Aécio é uma das coisas mais repugnantes da política pós-ditadura.

Foi uma articulação de traidores inédita, com esse formato, na democracia. Nunca um governador do mesmo partido fez com um colega o que Leite fez com Doria.

http://www.abi.org.br/

One thought on “O MASSACRE DE AÉCIO E LEITE CONTRA DORIA É INÉDITO PÓS-DITADURA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Website Protected by Spam Master


5 + 1 =